Pesquisa descobre por que lembramos (ou não) de sonhos

0 555

Algumas pessoas podem sempre lembrar seus sonhos de maneira tão vívida quanto suas lembranças diurnas, enquanto outras insistem que não sonham (ou pelo menos não conseguem se lembrar delas).

A diferença entre essas pessoas pode ser explicada apenas por dois genes.

Infelizmente, essa descoberta foi feita por cientistas que removeram a capacidade de sonhar com o cérebro de um camundongo.

Novas pesquisas – realizadas em camundongos, não em seres humanos – do Centro RIKEN para Biosystems Dynamics Research no Japão descobriram um par de genes que regulam a quantidade de sono REM (movimento rápido dos olhos), a fase do sono associada a sonhos vívidos e sono não-REM.

Conforme relatado na revista Cell Reports, o estudo poderia ajudar a esclarecer a natureza do sono REM e até mesmo questionar o propósito de sonhar.

Quando você dorme, seu corpo entra e sai de diferentes estágios do sono REM e não-REM. Não apenas o sono REM está ligado a períodos de sonhos, mas tendemos a lembrar melhor dos sonhos se formos acordados durante uma fase do sono REM.

Mais sono REM, portanto, tende a significar uma maior chance de ter e lse embrar dos sonhos.

Quando entramos em uma fase do sono REM, o cérebro é inundado com um neurotransmissor conhecido como acetilcolina. A rede neural subjacente é incrivelmente complexa, no entanto, os cientistas sabem que a acetilcolina parece desempenhar um papel importante na regulação do sono REM.

O estudo

Para este novo estudo, os pesquisadores conseguiram identificar dois genes, Chrm1 e Chrm3, que parecem codificar receptores de acetilcolina.

Para descobrir se esses genes realmente desempenharam um papel na nossa fase de sonho do sono, eles usaram ferramentas genéticas para modificar os genes dos comundongos.

Leia mais

Eles descobriram que a remoção da Chrm1 reduz e fragmenta o sono REM, enquanto que a Chrm3 reduz a duração do sono não-REM “a um nível quase indetectável”. Quando ambos foram eliminados, os camundongos experimentaram quase nenhum sono REM – eles literalmente tiraram os sonhos dos camundongos.

“A descoberta de que Chrm1 e Chrm3 desempenham um papel fundamental no sono REM abre o caminho para o estudo de seus mecanismos celulares e moleculares subjacentes e nos permitirá definir o estado do sono REM, que tem sido paradoxal e misterioso desde o seu relatório original”. O professor principal, Dr. Hiroki Ueda, disse em um comunicado.

Acredita-se que o sono REM ajuda nossos cérebros a gerenciar memórias, emoções e aprendizado. No entanto, os ratos “sem sonhos” não pareciam ser afetados pela falta de sono REM.

Isso pode não ser necessariamente o caso com humanos também, mas os pesquisadores argumentam que isso pode mostrar como os sonhos não servem realmente a um propósito funcional; é simplesmente um subproduto da atividade cerebral durante o sono REM.

Fonte: IFLS

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More