Documentado o 2º caso de “síndrome de Down” em macacos

0 64

Pesquisadores japoneses confirmaram o segundo caso conhecido pela ciência de um chimpanzé nascido com trissomia 22, um defeito cromossômico semelhante ao da síndrome de Down (ou trissomia 21) em seres humanos.

O relatório sobre Kanako, um chimpanzé de 24 anos nascido em cativeiro, foi liderado por Dr. Satoshi Hirata, da Universidade de Kyoto, no Japão, e aparece na revista Primates, publicada por Springer.

Os autores também descrevem suas tentativas de melhorar a qualidade de vida deste chimpanzé, através do fornecimento e gerenciamento de oportunidades para uma interação social normal. Esses esforços são vistos como fundamentais para cuidar de chimpanzés com deficiência em cativeiro.

As células humanas normalmente contêm 23 pares de cromossomos, totalizando 46. A síndrome de Down ocorre quando as células de uma pessoa contêm uma terceira cópia do cromossomo 21 (também conhecida como trissomia 21).

Por sua vez, os macacos têm 24 pares de cromossomos, para um total de 48. Trissomia 22 é diagnosticada quando as células de macacos, como chimpanzés, gorilas ou orangotangos contêm uma terceira cópia do cromossomo 22.

O primeiro caso

O primeiro caso confirmado de um chimpanzé com trissomia 22 foi documentado em 1969. O chimpanzé descrito quase cinco décadas atrás morreu antes de seu segundo aniversário. Isto significa que Kanako é o chimpanzé mais longo com esta doença cromossômica que os cientistas estão cientes.

Leia mais

Kanako nasceu em cativeiro em 1992, em uma instalação que foi transferida para a Universidade de Kyoto em 2011 e renomeado como Kumamoto Sanctuary, Wildlife Research Center. Ela sofreu um crescimento retardado desde cedo, sofre de uma doença cardíaca congênita e tem dentes subdesenvolvidos.

Kanako desenvolveu cataratas antes da idade adulta, e tornou-se cego aos sete anos. Tendo olhos cruzados e sofrendo de um distúrbio que faz com que o afinamento progressivo de suas córneas cause problemas de visão. Estes sintomas também são comuns na síndrome de Down humana.

A condição cardíaca de Kanako só foi detectada em 2014 durante um exame físico de rotina. Um ecocardiograma mostrou que ela tem um defeito do septo atrial, ou um chamado “buraco” na parede, que separa as duas câmaras superiores do coração. Estes resultados levaram a equipe de pesquisa a realizar mais análises cromossômicas, o que confirmou que ela tinha trissomia 22.

“É difícil estimar a probabilidade de um evento raro usando uma pequena população, mas dado que cerca de 500 chimpanzés nasceram em cativeiro no Japão, a probabilidade desta trissomia autossômica em chimpanzés pode ser comparável à da trissomia 21 em humanos, que ocorre em até 1 em 600 nascimentos “, especula Dr. Hirata.

 

Fonte: Science Magazine

Comentários

Loading...