Estudo descobre o primeiro sinal de Alzheimer

0 23

Novo estudo identificou o primeiro sinal de Alzheimer. O sinal fisiológico no início da doença está relacionado ao fluxo sanguíneo na cabeça.

 

Sinal de Alzheimer. Contrariamente ao entendimento anterior, exames cerebrais mostraram que uma diminuição no fluxo do sangue no cérebro é o primeiro indicador em pacientes que tenham a doença. Acreditava-se anteriormente que aumento da proteína B-amilóide era o primeiro sinal.

Mas enquanto a B-amilóide desempenha um papel, os especialistas do Instituto e Hospital Neurológico de Montreal determinaram que a diminuição do fluxo de sangue é o primeiro sintoma. Segundo o estudo mais completo já publicado sobre a doença de Alzheimer.

Eles também descobriram que as mudanças na cognição começam mais cedo do que se pensava. O estudo, liderado pelo Dr. Alan Evans, forneceu os mapas mais completos da doença até o momento.

Os pesquisadores analisaram mais de 7.700 imagens do cérebro de 1.171 pessoas em várias fases de progressão de Alzheimer. Eles usaram uma variedade de técnicas, incluindo exames de ressonância magnética e tomografia por emissão de positrões (PET), bem como a análise de sangue e líquido cefalorraquidiano.

 sinal de Alzheimer
Primeiro sinal de Alzheimer está relacionado ao fluxo sanguíneo.

O início da doença de Alzheimer é causado por uma combinação complexa de mecanismos associados no cérebro. É a causa mais comum de demência. Devido à sua complexidade, os estudos até agora lutava para fornecer um quadro completo da doença.

Leia mais

O estudo

Este estudo, publicado na revista Nature Communications em 21 de junho, tomou todos os elementos do cérebro em conta, incluindo o padrão de concentração de B-amilóide, o metabolismo da glicose, o fluxo sanguíneo cerebral, atividade funcional e atrofia cerebral em 78 regiões do cérebro .

A equipe vai agora olhar para determinar as causas de cada mecanismo para melhorar a investigação para desenvolver tratamentos.

“Este é um desafio computacional, matemático que vai além de qualquer coisa que nós fizemos até agora”, diz Evans.
“Nosso objetivo é ir a um alto nível, fazermos a modelagem causal das interações entre todos os fatores da doença, mas você precisa enorme poder computacional para fazer isso. É o nosso trabalho para estar pronto com o software, os algoritmos e os dados enquanto esperamos para o hardware para aparecer “.

“Nós ainda precisamos de mais estudos de integração de dados, capazes de considerar todos os possíveis fatores biológicos envolvidos. Bem como esclarecer as interações diretas entre esses fatores”, diz Medina.

“Sem isso, não podemos sonhar com tratamentos eficazes. Sem isso, continuaríamos a trabalhar no escuro”.

Fonte: Daily Mail

Comentários

Loading...