Brasil tenta criar santuário de baleias mas perde para caçadores – Entenda!

0 331

Uma proposta de criar um santuário de baleias no Oceano Atlântico Sul foi frustrada novamente, com 25 nações pró-caça bloqueando a proposta da Comissão Baleeira Internacional (IWC) no Brasil no início desta semana.

O santuário, proposto pelo Brasil e co-patrocinado pela Argentina, Gabão e África do Sul, foi deliberado pela primeira vez em 1998 e perdeu sua primeira batalha já em 2001.

Sua idéia: fornecer um espaço seguro para as baleias, onde os cetáceos são protegidos de humanos. Ameaças como baleeiros e equipamentos de transporte seriam proibidos, o santuário das baleias também seria alvo de pesquisa científica “não-letal e não-extrativa”.

“Como ministro do Meio Ambiente em um país com 20% da biodiversidade mundial, nos sentimos altamente responsáveis ​​pela administração de nossa riqueza, para o mundo inteiro, e isso também vale para os cetáceos”. Disse o ministro do meio ambiente Edson Duarte à uma platéia de delegados.

Se tivesse passado, seria o terceiro santuário de baleias reconhecido pela IWC e seus 89 estados-membros, um dos quais no Oceano Índico e o outro no Oceano Antártico, perto da Antártida.

Mas, para aprová-lo, precisou dos votos de pelo menos três quartos dos estados membros – e fracassou, recebendo apenas 39 em seu lugar. Três países se abstiveram e os 25 países restantes, incluindo as nações baleeiras Noruega, Japão e Rússia, votaram ativamente contra ela.

Qual a razão para ser contra o santuário de baleias?

Aparentemente, não há nada científico para apoiar isso. Eles acrescentaram que não era necessário porque a caça comercial não ocorre no Atlântico Sul, o que é estritamente verdade, mas apenas em um sentido extremamente limitado e técnico.

Esta não é a primeira vez que o santuário de baleias foi proposto e, sem dúvida, não será a última vez. Duarte já disse que não é o fim. “Vamos trabalhar em outras reuniões desta comissão este ano para garantir que o santuário seja finalmente criado”. Disse ele ao jornal The Guardian.

“É tão importante para a conservação das baleias em todo o mundo, mas especialmente no Atlântico Sul.”

Mas muitos disseram que seria impossível fazê-lo sem o apoio das nações pró-caça e para ganhar esse apoio, haverá concessões.

Leia mais

Isso pode incluir a reintrodução de pelo menos alguma caça comercial, uma prática que foi completamente proibida desde a instalação de uma proibição em 1980. Não que essa proibição não tenha sido rotineiramente desrespeitada por países que decidem que a regra não se aplica a eles. (Ou sob a aparência duvidosa de “pesquisa científica”.)

Fonte: IFLS

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More