Cepas de Salmonella africana estão ficando mais perigosas

0 29

As infecções por Salmonella são tipicamente culpadas por surtos de intoxicações alimentares, mas na África subsaariana, muitas vezes causam infecções sanguíneas e meningite mortais resistentes aos medicamentos.

Um estudo em ratos publicado em 8 de fevereiro em Cell Host & Microbe agora revela como essas chamadas cepas não-tifoides africanas de Salmonella (NTS) deixam o intestino e se espalham por todo o corpo.

Ironicamente, a perda de um gene bacteriano chamado sseI permitiu que as linhagens africanas de NTS sequestrassem mais eficientemente as células imunes e viajassem através do sangue para diferentes órgãos.

“Nossas descobertas salientam que as alterações genéticas nas bactérias, bem como a suscetibilidade subjacente da população de acolhimento, são importantes para a gravidade destas  Salmonella invasivas na África subsaariana”, diz a  autora do estudo Dr. Denise Monack (@monack_lab) de Faculdade de Medicina da Universidade de Stanford.

“Uma vez que o nosso trabalho destaca o papel das diferenças genéticas em Salmonella na condução da doença, isso apóia a necessidade de melhores diagnósticos e uma vacina para proteger contra essas infecções”.

Enquanto certas cepas de Salmonella se espalham por todo o corpo e causam febre tifoide, a grande maioria permanece no intestino e causa intoxicação alimentar. Mas na África sub-saariana, as estirpes NTS estão evoluindo para se tornarem mais parecidas com as suas cepas tifoides.

Nessa região, as infecções NTS estão entre as causas mais comuns de infecções de corrente sanguínea em crianças e adultos infectados pelo HIV.

Leia mais

Essas cepas se espalharam rapidamente pelo continente devido ao surgimento da resistência aos medicamentos, associada à suscetibilidade imunológica de uma população regularmente exposta ao HIV, à malária e à desnutrição.

Como resultado, as opções terapêuticas são limitadas e as taxas de mortalidade são altas.

Próximas pesquisas

Os investigadores estão agora investigando outras alterações importantes e mecanismos que permitem a S. Typhimurium subsaariana causar infecções da corrente sanguínea e meningite.

“O trabalho contínuo nessa área poderia ajudar a formar novas ferramentas de diagnóstico ou vacinas para ajudar a combater essas infecções invasivas de Salmonella na África sub-saariana”, diz Dr. Monack.

“Além disso, através de um melhor entendimento de como Salmonella evolui para causar doença sistêmica em seres humanos, podemos avaliar melhor como perigosas estirpes emergentes ou surtos de Salmonella pode acontecer para podermos montar a resposta de saúde pública adequada.”

Fonte: Eurekalert

Comentários

Loading...