Saiba por que as grandes cidades estão perdendo a guerra contra os ratos

0 243

Os pesquisadores dizem que a ciência precisa de maior acesso às propriedades se quisermos vencer a guerra contra os ratos.

Em todo o mundo, os ratos são considerados pragas que destroem alimentos, espalham doenças, iniciam incêndios e até mesmo estragam veículos a motor.

Apesar dos riscos de saúde e segurança que os ratos representam, um novo estudo revelou que eles são realmente os animais selvagens menos estudados na cidade de Nova York, e os pesquisadores estão tentando mudar isso, oferecendo incentivos aos proprietários para os ajudarem a estudarem os ratos.

De acordo com os autores de um novo estudo publicado no Journal of Urban Ecology: “O desafio mais difícil da pesquisa de ratos urbanos é encontrar locais de pesquisa adequados para obtermos acesso aos ratos por tempo suficiente para gerar ciência robusta”.

Apesar das taxas atuais de urbanização humana e mudanças climáticas, os cientistas enfrentam dificuldades em estudar os animais.

De acordo com o estudo, de 2000 a 2030, espera-se que a população humana global cresça 2,2 bilhões, com 2,1 bilhões desse aumento nas áreas urbanas.

Em 2050, quase 70 por cento de todas as pessoas do mundo viverão nas cidades, e essas cidades densamente habitadas apoiarão espécies como ratos.

Leia mais

De acordo com os pesquisadores, houve uma ênfase no uso de venenos – com os quais os roedores podem se adaptar – e pouca atenção dada ao gerenciamento porque a última abordagem requer uma base de conhecimento ecológica que ainda não está disponível devido à falta de ciência.

Por que eles são difíceis de serem controlados?

Os autores sugerem que os ratos são tão difíceis de controlar ou pesquisar porque estão entre alguns dos organismos mais perfeitamente adaptados da natureza.

Eles vivem em estreita colaboração entre os seres humanos – mesmo em suas famílias e locais de trabalho -, mas geralmente o fazem sem serem diretamente ameaçados ou vistos pelos humanos.

Os pesquisadores dizem que, se eles tivessem um maior acesso a residências privadas ou empresas que lhes permitiriam armazenar equipamentos científicos caros e monitorar ratos em particular, eles poderiam ver melhorias na vigilância de patógenos e doenças, entender melhor a distribuição da população e testar vários novos métodos de controle.

“Eles são a perdição dos ambientes urbanos, associados à pobreza e doenças”, disse o Dr. Jason Munshi-South, co-autor do estudo e professor associado de biologia da Fordham University.

“Os empresários atormentados com ratos estão relutantes em contar a alguém ou compartilhar suas residências com pesquisadores”.

Para superar esse obstáculo, os pesquisadores estão fornecendo serviços de extermínio gratuitos e confidenciais para residências voluntárias, desde que permitam que seus ratos sejam estudados antes do extermínio.

Mas é um desafio enviar essa mensagem aos proprietários, para difundir a mensagem, o Dr. Michael Parsons, o principal autor do estudo e um estudante visitante da Fordham University, também oferece uma recompensa de até US $ 1.000 por informações que levam a locais de pesquisa. Em Manhattan.

“Nenhuma guerra já dizimou 1/3 da população humana. Os ratos já”.

 

Fonte: Daily Mail

Comentários

Loading...