Fezes de pinguins-rei atrapalharam pesquisadores na Antártica – Entenda!

0 241

Os pinguins-rei da Antártica emitem quantidades tão abundantes de óxido nitroso, ou gás hilariante, pelas fezes que fizeram os pesquisadores sofrerem, segundo um estudo dinamarquês.

“As fezes do pinguim produz níveis significativamente altos de óxido nitroso em torno de suas colônias”, disse o chefe do estudo, professor Dr. Bo Elberling, do Departamento de Geociências e Gerenciamento de Recursos Naturais da Universidade de Copenhague.

Enquanto estudavam colônias de pinguins-rei na ilha atlântica da Geórgia do Sul, entre a América do Sul e a Antártica, “os pesquisadores “enlouqueceram” por estarem cercados de cocô de pinguim”, disse ele.

Além de ser uma pressão sobre o clima, o óxido nitroso tem um efeito muito semelhante ao gás de riso sedativo usado por dentistas.

“Depois do contato por várias horas, ficamos completamente estranhos. Começamos a enjoar e ficar com dor de cabeça”, disse Dr. Elberling.

O óxido nitroso é 300 vezes mais poluente para o meio ambiente do que o dióxido de carbono.

O óxido nitroso é explicado pela dieta dos pinguins (krill e peixes), que contém altos níveis de nitrogênio.

O nitrogênio é liberado das fezes dos pinguins no solo e as bactérias do solo o convertem em óxido nitroso, um gás causador do efeito estufa.

“Embora as emissões de óxido nitroso neste caso não sejam suficientes para impactar o aquecimento global da Terra, nossas descobertas contribuem para novos conhecimentos sobre como as colônias de pinguins afetam o ambiente ao seu redor, o que é interessante porque as colônias estão se tornando cada vez mais difundidas”, disse Elberling.

Fonte: Science Alert

Esse site utiliza cookies para melhorar sua experiência AceitarLeia Mais