Você já ouviu falar sobre pessoas que “saem do corpo”? Pesquisa descobre algo interessante

0 72

Durante séculos, as pessoas em todo o mundo alegaram experimentar experiências estranhas de “sair do corpo”. Uma nova pesquisa mostra pela primeira vez que esse fenômeno pode acontecer com crianças de até seis anos.

Longe de ser algo a temer, o novo estudo indica que esta é uma parte importante dos jovens que desenvolvem seu “sentido pessoal”.

Crianças de seis a 10 anos, assim como adultos, participaram de um experimento que criou uma ilusão de corpo inteiro, fazendo com que se dissociassem de seus corpos.

A pesquisa, que foi publicada na revista Developmental Science, mostra que essas experiências virtuais são cruciais para desenvolver nosso “senso de si mesmo”.

Os participantes viram seus próprios corpos “virtuais” por dois minutos através de óculos de realidade virtual, enquanto suas costas foram acariciadas.

As imagens de vídeo foram alimentadas por uma câmera colocada dois metros atrás deles. Vendo um toque em um corpo virtual enquanto eram tocados ao mesmo tempo, criou-se a ilusão de que o “eu” está mais próximo do corpo virtual e mais distante do próprio corpo.

Ele também induz um sentimento mais forte de propriedade do corpo virtual, por exemplo, a sensação de que o corpo virtual é realmente “meu corpo”.

Leia mais

Os cientistas descobriram que crianças de seis anos relataram sensações de identificar o corpo virtual como seu.
E as crianças de oito anos até mesmo relataram ser capaz de sentir toque no corpo virtual.

Como os efeitos sobre a auto-identificação e toque de referência tornou-se mais forte com a idade, o estudo sugere que o “sentido básico de si mesmo” se desenvolve significativamente durante a infância.

Experiência de sair do corpo

A maioria das pessoas que afirmam terem tido uma experiência de sair do corpo estavam perto de dormir em um estado de sonho lúcido, ou após trauma físico grave, onde eles têm uma experiência de quase morte.

Outros afirmam ter tido tais experiências depois de usarem drogas alucinógenas ou cogumelos.

A Dra. Jane Aspell, professora de Psicologia da Universidade Anglia Ruskin, disse: “Pela primeira vez pudemos medir a presença das crianças num ambiente virtual. Quanto mais presença você tiver em uma situação de realidade virtual, mais real ela parecerá.”

“O trabalho recente com adultos mostrou que os ambientes virtuais podem ser ferramentas úteis para ajudar na reabilitação, terapias e compreensão das interações sociais, por exemplo, na redução do viés racial implícito ou na simulação de situações perigosas em um ambiente seguro”.

 

Fonte: Daily Mail

Comentários

Loading...