Notícia interessante é Notícia Alternativa - Ciência/Saúde/Cultura/Tecnologia

Pesquisa relaciona ingestão de álcool com doença grave.

0 10

Sabe-se a muito tempo que ligação entre álcool e câncer é perigosa. Mas agora pesquisa espanhola relaciona a ingestão diária com câncer de mama.

Cinco universidades espanholas (Asturias, Granada, Múrcia, Navarra e San Sebastián) realizaram um estudo financiado pela União Europeia e coordenado pela Agência Internacional de Pesquisa sobre Câncer. Os resultados do estudo confirmam evidências anteriores sobre a relação entre consumo de álcool e câncer de mama. De todas as voluntárias examinadas (334,850), 11.576 foram diagnosticadas com câncer da mama ao longo dos 11 anos de monitorização do estudo.

María Dolores Chirlane, uma das cientistas espanhola, explica que ”o risco médio de serem diagnosticados com câncer da mama aumenta em 4% com cada um adicional de 10 gramas/dia de álcool de uma mulher. Em outras palavras, uma ingestão diária de um copo de vinho ou cerveja – ou menos – corresponderia a um valor risco de 1. No entanto, se aumentarmos a nossa ingestão para dois copos diários de vinho ou cerveja, o nosso risco aumentaria 4%”.

”Usando um valor de referência entre 0 e 5 gramas por dia, um aumento de até 15 gramas/dia está ligado a um aumento de 5,9% de apresentar câncer de mama ”, acrescenta o professor da Universidade de Murcia.

Conselhos para a redução dos fatores de risco:

O Código Europeu Contra o câncer estabeleceu 12 dicas para as pessoas a reduzir o seu risco da doença. Uma dessas dicas diz que ”Se você beber qualquer tipo de álcool, limite a sua ingestão. Não beber álcool é benéfico para a prevenção do câncer ”.

De acordo com o texto: ” há fortes evidências sugerindo que os indivíduos podem reduzir seu risco de câncer através da adoção de uma alimentação saudável e atividade física. Na Europa, os indivíduos que seguem estilos de vida saudáveis têm um risco 18% menor de câncer do que aqueles cujos estilos de vida e os pesos corporais não estão em consonância com as recomendações ”.

Fonte: International Jounal of Cancer