Cientistas conseguem criar pele em laboratório capaz de suar e crescer cabelo.

0 19

A pele é o nosso maior órgão, a nossa primeira linha de defesa contra infecções, e nossa reguladora de temperatura. Mas por ela fazer tantos trabalhos vitais, é difícil de recria-la em laboratório para pacientes que possam precisar de um enxerto de pele.

 

Ontem, 1 de Abril, pesquisadores da Universidade de RIKEN e Universidade de Tóquio anunciaram que tinham criado a primeira pele cultivada em laboratório que apresenta folículos capilares e glândulas sudoríparas para imitar a pele biológica em camundongos. A pesquisa foi publicada na Science Advances.

“Conseguimos crescer com sucesso pele que replica a função do tecido normal,” Takashi Tsuji, um biólogo da Universidade de RIKEN e autor principal do artigo, disse em um comunicado de imprensa. As células da pele gerado em laboratório puderam interagir com sucesso com células musculares e nervosas, da mesma maneira que eles fazem na pele real.

Para desenvolver essa pele sintética, os cientistas células manipularam quimicamente células da gengiva de ratos para transformá-las de volta em células-tronco indiferenciadas, que têm a capacidade de se transformar em qualquer tipo de tecido. Eles, então, manipularam as células-tronco para se tornarem células da pele do rato, bem como o fariam se fossem parte de um embrião de rato. Uma vez que eles tiveram amostras de tecido suficiente, os pesquisadores enxertada a pele artificial em ratos que tinham sido geneticamente modificados para ter sistemas imunitários deficientes e corpos sem pelos. A pele artificial enxertada adaptou-se confortavelmente aos corpos dos ratos, e cresceram com capacidade de crescer cabelo, excretar óleos, e trabalhar com as células nervosas e musculares.

“Até agora, o desenvolvimento da pele artificial tem sido dificultada pelo fato de que a pele não tinha estruturas importantes, como folículos pilosos e glândulas exócrinas, que permitem que a pele a desempenhar o seu importante papel na regulação [de temperatura]”, disse Tsuji.

Em 2015, pesquisadores da Universidade de Stanford criaram (paywall) um material destinado para próteses que poderiam transmitir sensações de toque para o usuário. Embora estas experiências foram realizadas em ratos, que representa um salto de sofisticação no desenvolvimento de pele artificial. No futuro, os pesquisadores esperam que essa técnica terá aplicações para pacientes com queimaduras graves, cicatrizes, ou alopecia, e poderia ser uma alternativa aos ensaios em animais para os produtos químicos.

Comentários

Loading...