Porque é comum passar mal ao viajar de carro

0 7

Passar mal ao viajar de ônibus ou de carro é comum para muitas pessoas. Isso ocorre pois o transporte moderno faz o cérebro pensar que fomos envenenados, disse neurocientista.

Passar mal em carros. Estar em um carro, trem, barco ou avião provoca sinais conflitantes no cérebro que desencadeiam uma reação semelhante ao que ocorre quando somos envenenados.

Professor da Universidade de Cardiff, Dr. Dean Burnett, disse que a sensação de náusea é causada porque o cérebro pensa que o corpo precisa remover uma toxina através de vômitos.

Passar mal
Passar mal em viagens é normal

Mas de fato, o efeito de “envenenamento” é causado pelas mensagens mistas dos músculos – que informam ao cérebro que o corpo está imóvel – e as orelhas, detectam o movimento.

Falando no programa de rádio dos EUA Fresh Air, o Dr. Burnett disse que o corpo ainda não está evoluído para lidar com a sensação de estar em veículos. Pelo qual o corpo está sendo movido sem a realização de movimentos em si.

Ele disse: “Quando estamos em um veículo como um carro, um trem ou um navio especial, você não está fisicamente em movimento. Seus músculos estão dizendo ‘nós estamos estacionados”.

Leia mais

Explicações

“Se você está sentado em um navio, e está olhando para um ambiente estático, não há informações para os olhos dizer ’nós estamos movendo ‘. Mas os fluídos em seus ouvidos, eles obedecem as leis da física. E eles são uma espécie de balança, porque você está realmente se movendo.”

“Então, o que está acontecendo no cérebro é que ele está recebendo mensagens confusas. Ele está recebendo sinais dos músculos e dos olhos dizendo que “ainda estamos parados”. Mas os sinais dos sensores de equilíbrio estão dizendo ‘nós estamos em movimento’. Ambos não podem estar corretas. Há uma incompatibilidade sensorial lá.”

“E, em termos evolutivos, a única coisa que pode causar uma incompatibilidade sensorial como essa é uma neurotoxina ou veneno. Assim, o cérebro pensa, essencialmente, ele foi sendo envenenado”.

Ele disse que não havia nenhuma razão clara para que algumas pessoas sofram mais do que outros. Para aquelas que não sofrem ele as chamou de um “capricho do desenvolvimento”.

Mas ele disse que ainda há vários outros aspectos da vida moderna com o qual o cérebro ainda não está evoluído para lidar.

 

Fonte: Daily Mail

Comentários

Loading...