Notícia Alternativa
Notícia interessante é Notícia Alternativa - Ciência/Saúde/Cultura/Tecnologia

Novo microscópio pode ajudar contra o câncer

0 86

Algo que pode transformar o estudo das interações das células com o seu ambiente foi inventado. Pesquisadores inventaram um novo microscópio que pode olhar para as células cancerosas ao vivo em 3D. Com alta resolução em todas as direções.

Anteriormente, a alta resolução de imagem ao vivo só eram feitas com células cultivadas em lâminas de vidro. Algo que achata as amostras. Células vivas são altamente sensíveis aos seus arredores, assim que a nova estratégia de que a microscopia – substitui lâminas de vidro por blocos de colágeno – pode ajudar a revelar comportamentos mais naturais.

A técnica, denominada microscopia microambiental de iluminação seletiva (meSPIM), utiliza raios excepcionalmente longos e finos de luz laser para provocar fluorescência numa amostra. Tal característica permite a célula brilhar.

Ela pode revelar detalhes tão pequenos quanto 300 nanômetros, mantendo um amplo campo de visão em amostras que imitam tecidos reais. Isso poderia permitir que os investigadores para assistir processos complexos, tais como sinalização celular no tecido canceroso e não canceroso. O estudo foi publicado na Developmental Cell.

Nesse trabalho, os pesquisadores descobriram que células de melanoma se comportam de forma diferente dentro do colágeno. Elas formam um maior número de protuberâncias arredondadas conhecidas como “bolhas”. Eles foram capazes de medir fatores como o tamanho e a forma das bolhas e a distribuição de proteínas particulares. O microscópio utiliza algoritmos que podem quantificar o que o microscópio viu.

Novo microscópio
Novo microscópio

Na célula de câncer de pulmão indicada acima e a esquerda, tons vermelhos indicar a presença de actina, uma proteína estrutural importante no movimento celular. Na célula de melanoma à sua direita, vermelho indica a atividade de uma molécula de sinalização chamada de PI3-cinase. Tais imagens do novo microscópio podem ajudar os pesquisadores a aprender como as células cancerosas invadem outros tecidos.

Fonte: Science