Astrônomos descobrem duas novas luas orbitando a Terra – Entenda!

0 2.508

Um novo estudo pode finalmente confirmar a existência de duas nuvens de poeira que circulam na órbita da Terra.

Os cientistas tiveram debates acalorados sobre sua existência por mais de 50 anos.

As nuvens foram vistas pela primeira vez pelo astrônomo polonês Kazimierz Kordylewski em 1961, perto do ponto L5 Lagrange, de acordo com a Space.com.

Os pontos de Lagrange são cinco pontos no espaço profundo onde a atração gravitacional entre a Terra e a Lua se equilibram, explica Space.com.

Dois destes, L4 e o supracitado L5, formam “um triângulo de lados iguais” com a Terra e a Lua e se movem ao redor da Terra à medida que a Lua atravessa sua órbita lunar.

“L4 e L5 não são completamente estáveis, pois são perturbadas pela atração gravitacional do Sol”, disseram pesquisadores em um comunicado. “No entanto, eles são considerados locais onde a poeira interplanetária pode se acumular, pelo menos temporariamente. Kordylewski observou dois aglomerados de poeira próximos em L5 em 1961, com vários relatos desde então, mas sua extrema fraqueza os torna difíceis de detectar e muitos cientistas duvidaram de sua existência.”

Um dos autores do estudo, Dra. Judit Slíz-Balogh, disse que as nuvens eram difíceis de encontrar, apesar de estarem próximas ao nosso planeta, cosmicamente falando.

“As nuvens de Kordylewski são dois dos objetos mais difíceis de serem encontrados e, embora sejam tão próximas da Terra quanto a Lua, são amplamente ignoradas por pesquisadores da astronomia”, disse Slíz-Balogh em comunicado.

“É intrigante confirmar que nosso planeta tem pseudo-satélites empoeirados em órbita ao lado de nosso vizinho lunar.”novas luas

Os pontos Lagrange e as novas luas

Os pontos Lagrange triangulares foram descobertos em 1772, de acordo com o resumo do estudo.

Leia mais

De tão fracos, eles precisam de certas condições climáticas para provar que eles existem, disse ao Space.com Dr. Gábor Horváth, co-autor do estudo.

Mas Horváth e Slíz-Balogh desenvolveram modelos de computador para ver se refletiam a luz e como se formavam, o que levou, em última análise, a confirmar sua existência.

Observando que poucos modelos estudaram a nuvem de poeira de Kordylewski, os pesquisadores disseram que preencheram a lacuna investigando “um problema tridimensional de quatro corpos consistindo do Sol, Terra, Lua e uma partícula teste. Nós mapeamos o tamanho e a forma do conglomerado de partículas que não escaparam do sistema antes de um tempo de integração de 3650 d em torno de L5. ”

Os pesquisadores precisam estudar as nuvens de poeira para ver se apresentam “algum tipo de ameaça ao equipamento e aos futuros astronautas”.

Conforme o tempo passa, os pesquisadores disseram acreditar que os pontos L4 e L5 poderiam ser “locais potenciais para sondas espaciais em órbita e como estações de transferência para missões explorando o Sistema Solar mais amplo”, além de serem locais para armazenar poluentes.

Fonte: Fox News