Mulher transgênera amamenta filho pela primeira vez – Entenda!

0 334

Uma mulher transgênera tem amamentado com sucesso seu filho, no que é o primeiro caso oficialmente documentado de lactação induzida.

Esse incrível feito foi alcançado depois que a mulher de 30 anos sofreu um tratamento medicamentoso de três meses envolvendo terapia hormonal e estimulação física da mama.

O regime permitiu que a nova mãe produza 227 gramas de leite por dia, permitindo que ela alimentasse seu bebê por seis semanas completas até que se decidiu que a criança precisava de mais e a amamentação foi suplementada com leite de fórmula.

Isso ainda é pouco comparado com a média de 500 gramas de leite  produzido por dia por mulheres cisgêneras, mas ainda é um resultado incrível.

O relatório de caso, publicado na revista Transgender Health, detalha como a mulher procurou ajuda médica no Mount Sinai Center for Transgender Medicine and Surgery em Nova York.

A mulher já havia recebido tratamento hormonal por pelo menos seis anos antes de iniciar o novo curso de drogas, sem sofrer aumento de mama ou reafectação de gênero.

No momento em que o bebê nasceu, no entanto, ela foi colocada em um curso de doses cada vez maiores de estradiol e progesterona, para imitar o pico desses hormônios durante a gravidez, bem como a droga domperidona, que aumenta o hormônio prolactina . Além disso, ela estimulou seus seios com uma bomba de mama.

Provavelmente não é a primeira vez que uma mulher transgênera amamenta seu filho. Mas essa é a primeira vez que a documentação científica foi feita.

Inevitavelmente, tem havido muitas questões levantadas como resultado deste caso sobre se isso significa que seria possível para um homem amamentar, mas essa linha de questionamento é mal colocada, dizem os autores.

Independentemente de todas as drogas serem realmente necessárias, é outra questão a ser respondida, particularmente porque a domperidona não está legalmente disponível nos EUA, e alguns pensam que a estimulação mamária por si só pode ser suficiente.

De qualquer forma, esta documentação oficial de tal caso provavelmente aumentará a popularidade desse tratamento entre as mulheres transgêneros.

Leia mais

Fonte: IFLS