Mulher morre após mordida de filhote de cachorro – Saiba o motivo!

0 386

A imprensa americana está noticiando a morte de uma mulher em Wisconsin após ser mordida por um filhote de cachorro. Apesar de trágico, esse incidente é considerado extremamente raro que não deve causar pânico.

Sharon Larson, que tinha acabado de obter o filhote, recebeu uma pequena mordida, o que causou um corte. Ela foi levada às pressas para o hospital um dia depois por conta de sintomas semelhantes aos da gripe. Inicialmente foi lhe dado antibióticos, mas mesmo assim Larson morreu dois dias após o incidente.

Este incidente tem ecos de outro recentemente relatado na mídia: o caso curioso e sombrio de Greg Manteufel, que – depois de ser lambido por um cachorro – experimentou febre, vômitos e hematomas em toda a sua pele.

Depois que vários de seus membros serem amputados após os antibióticos não terem conseguido impedir a disseminação da doença, foi confirmado que ele morreu de sepse.

A sepse é uma complicação extremamente perigosa relacionada a reação imunológica decorrente de infecções bacteriana. Se não for tratado rapidamente, pode levar à falência múltipla de órgãos e à morte.

As bactérias em questão foram as mesmas em ambos os tempos: o gênero Capnocytophaga, talvez da espécie canimorsus.

Como observado pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), eles são comumente encontrados na boca de gatos, cães e seres humanos. Eles podem causar infecções perigosas quando surgem as condições certas: se o paciente tem um sistema imunológico comprometido, se bebe álcool excessivamente, se não tem baço, se tem câncer ou HIV, por exemplo.

Os membros do gênero Capnocytophaga podem ser encontrados em 57% dos gatos e em 74% dos cães. Eles podem se espalhar entre as pessoas através de lambidas, mas mais comumente através de mordidas.

Essas infecções podem causar infecções oculares, gengivite e infecções do trato respiratório e bacteremia.

No entento, é importante ressaltar que essas infecções são oportunistas, o que significa que elas não ocorrem em todos ou mesmo na maioria das pessoas. Especialistas médicos que lidaram com esses casos notam que eles são muito raros, infelizes.

Fonte: IFLS