Máscaras são efetivas? Pesquisa responde com vídeo!

máscaras
0 243

Máscaras bem adaptadas em estilo de cone ou máscaras caseiras feitas com várias camadas de tecido são os melhores equipamentos para impedir a propagação do coronavírus, mostra um estudo.

Pesquisadores da Florida Atlantic University examinaram máscaras de diferentes materiais e modelos para encontrar a melhor opção para diminuir a propagação das gotículas possivelmente contaminadas com vírus.

Essas gotículas são expelidas quando alguém tosse ou espirra. Os testes mostram que máscaras frouxamente dobradas ou adereços no estilo bandana apresentam o pior desempenho.

Segundo os pesquisadores, isso ocorre porque esses equipamentos oferecem capacidade mínima de barragem para gotículas respiratórias, que podem se espalhar por muitos metros se não forem obstruídas.

Eles descobriram que uma simples máscara no estilo bandana pode impedir que as gotículas ultrapassem 1 metro, mas uma máscara caseira bem costurada de tecido de algodão impede as gotículas a 7cm.

O patógeno responsável pelo COVID-19, SARS-CoV-2, é encontrado principalmente em gotículas respiratórias expelidas por indivíduos infectados durante a tosse, espirros ou até mesmo conversando e respirando, explicou a equipe da Flórida.

Isso explica a lógica dos governos de recomendarem coberturas faciais – para reduzir o risco de infecção de infectados para indivíduos saudáveis.

A real proteção das máscaras.

A pesquisa

A pesquisadora líder do estudo, Dr. Stella Batalama, da Florida Atlantic University, disse que queria descobrir as melhores opções para reduzir a propagação do SARS-CoV-2.

“Nossos pesquisadores demonstraram como as máscaras são capazes de reduzir significativamente a velocidade e o alcance das gotículas e jatos respiratórios”, disse Dra. Batalama.

“Além disso, eles descobriram como a tosse emulada pode viajar visivelmente mais além do que a diretriz de distância atualmente recomendada”.

A equipe de pesquisa usou uma técnica chamada ‘visualização de fluxo’ em um laboratório onde usava uma mistura de água destilada e glicerina para gerar um nevoeiro sintético para imitar gotículas de tosse.

Eles usaram um manequim para simular tosse e espirros, antes de visualizar gotículas expelidas da boca.

Eles testaram uma variedade de máscaras prontamente disponíveis ao público em geral e que não esgotam as máscaras de grau médico e os dispositivos de respiração que são vitais para os profissionais de saúde.

Isso incluía uma cobertura de bandana de camada única, uma máscara caseira costurada com duas camadas de tecido de algodão acolchoado e uma máscara de cone não estéril.

Ao colocar essas várias máscaras no manequim, eles foram capazes de mapear os caminhos das gotículas e demonstrar o desempenho diferenciado.

Os resultados

Leia mais

Os resultados mostraram que máscaras faciais dobradas e coberturas no estilo bandana fornecem capacidade mínima de parada para as menores gotículas respiratórias.

Considerando que máscaras caseiras bem ajustadas, com várias camadas de tecido acolchoado e máscaras prontas para uso em prateleiras, provaram ser as mais eficazes.

Eles foram capazes de reduzir ‘significativamente’ a velocidade e o alcance dos jatos respiratórios. Embora com algum vazamento através da própria máscara e com pequenas lacunas nas bordas.

Sem máscara, as gotas percorriam mais de dois metros e meio. Com uma bandana, pouco mais de 1 metro. E com um lenço de algodão dobrado, percorriam 40cm

Gotas de tosse viajavam apenas 7cm quando cobertas por uma máscara de algodão acolchoado e, com a máscara em forma de cone, as gotas viajavam cerca de 20 cm.

Outro pesquisador do estudo, Dr. Siddhartha Verma, disse que queria transmitir ao público a importância do distanciamento social e das máscaras faciais.

Confira nosso especial COVID-19

“Promover a conscientização generalizada de medidas preventivas eficazes é crucial neste momento. Por falta disso, estamos observando picos significativos nos casos de infecções por COVID-19 em muitos estados, especialmente na Flórida”, disse ele.

É importante ressaltar que as tosses simuladas descobertas foram capazes de viajar visivelmente além das diretrizes de distância atuais. Ou seja, mais de 2 metros de distância.

Os pesquisadores disseram que suas observações sugerem que as diretrizes atuais de distanciamento social talvez precisem ser aumentadas, e não reduzidas.

A pesquisa foi publicada na revista Physics of Fluids.

Esse site utiliza cookies para melhorar sua experiência AceitarLeia Mais