Notícia interessante é Notícia Alternativa - Ciência/Saúde/Cultura/Tecnologia

Qual será a maior religião do mundo no futuro próximo? Entenda

0 88

O número de bebês muçulmanos nascido deve ultrapassar o número de cristãos dentro de duas décadas.

Esse fato tornará o Islã a maior religião do mundo em 2075, de acordo com nova análise de dados divulgado pelo Pew Research Center.

Pessoas com nenhuma afiliação religiosa estão encolhendo devido ao resultado da baixa taxa de natalidade e a crescente taxa referente aos muçulmanos e cristãos.

A análise aponta mudanças demográficas modestas mas significativas na filiação religiosa nas próximas décadas, à medida que as populações no hemisfério sul continuam a crescer rapidamente e as populações cristãs na Europa envelhecem e morrem.

Entre 2010 e 2015, estima-se que 31% dos bebês nascidos no mundo eram de pais muçulmanos, ultrapassando em muito a proporção de 24% da população mundial mantida por muçulmanos. No mesmo período, 33% dos bebês do mundo nasceram de pais cristãos, apenas ligeiramente superior à sua quota de 31% da população global.

Isso está previsto para mudar, devido ao perfil de idade relativamente jovem dos muçulmanos e suas taxas mais elevadas de fertilidade. Entre 2030 e 2035, um pouco mais bebês (225 milhões) nascerão de pais muçulmanos do que para os cristãos (224 milhões). Entre 2055 e 2060, a diferença deverá aumentar para 6 milhões – 232 milhões de nascimentos para os muçulmanos e 226 milhões para os cristãos.

Entretanto, as mortes entre os cristãos na Europa ultrapassam largamente os nascimentos. Na Alemanha, entre 2010 e 2015, houve um número estimado de 1,4 milhões de mortes superiores aos nascimentos entre os cristãos. A pesquisa disse que o padrão deverá continuar em grande parte da Europa nas próximas décadas.

Apesar de uma população cristã relativamente jovem e fértil na África subsaariana, os cristãos têm representado 37% das mortes do mundo nos últimos anos.

O que acontece com os não religiosos?

“Em contraste com o baby boom entre os muçulmanos, as pessoas que não se identificam com qualquer religião estão experimentando uma tendência muito diferente”, disse Pew. Pessoas sem religião compõem 16% da população global, mas só produzem 10% dos bebês do mundo.

“Esta escassez de recém-nascidos entre os não-afiliados ajuda a explicar por que os não-religiosos (incluindo pessoas que se identificam como ateus ou agnósticos, bem como aqueles que não têm nenhuma religião particular) estão projetados a declinar como parte da população mundial nas próximas décadas.”

Leia mais

Em 2055-2060, 9% de todos os bebês nascerão de mulheres não religiosas, enquanto mais de 70% nascerão para muçulmanos (36%) ou cristãos (35%), disse Pew.

As pessoas religiosamente não afiliadas estão “fortemente concentradas em lugares com populações em envelhecimento e baixa fertilidade, como China, Japão, Europa e América do Norte. Em contraste, religiões com muita adesão nos países em desenvolvimento – onde as taxas de natalidade são altas e as taxas de mortalidade infantil em queda – provavelmente crescerão rapidamente. Grande parte do crescimento mundial do Islã e do Cristianismo, por exemplo, deverá ocorrer na África subsaariana “, disse Pew.

Fonte: The Guardian