Nova forma de fazer antibióticos – Macrolídeos

0 38

Produção alternativa de macrolídeos (antibióticos) pode salvar milhões de vidas no futuro. Pesquisa publicada na Nature explica como é essa produção.

 

Os antibióticos têm sofrido duros golpes nos últimos tempos. Não só pelo aumento da resistência aos medicamentos, mas também pelas empresas farmacêuticas, que têm diminuído programas de pesquisa de antibióticos porque as drogas são difíceis e caras de se produzir.

Agora, a ajuda está a caminho. Pesquisadores relataram hoje que eles encontraram uma maneira a produzir novos membros de uma das classes mais utilizados de antibióticos, chamados macrolídeos. O trabalho pode levar a novas armas contra infecções resistentes aos antibióticos, e, possivelmente, salvar milhões de vidas.

Macrolídeos, as drogas que incluem eritromicina e azitromicina, foram inicialmente desenvolvidos na década de 1950. Desde então eles se tornaram um baluarte contra infecções bacterianas e fúngicas. Quimicamente, macrolídeos são anéis gigantes contendo 14 a 16 átomos de carbono, com um ou mais apêndices de açúcar pendurado do lado de fora. Bactérias sintetizá-os para lutar contra os seus vizinhos.

macrolídeos
macrolídeos

No entanto, as bactérias não evoluíram para fazer macrolídeos boas drogas para pessoas. Então os químicos começaram com as versões naturais e ajustaram suas ligações químicas, um por vez, em um esforço para torná-los mais eficazes e seguros. Mas na maioria dos casos é impossível limitar as alterações apenas uma ligação em uma grande molécula. Quando várias ligações reagem, o resultado é uma ampla mistura indesejável de produtos finais, nenhum dos quais contêm apenas uma mudança específica desejada para fazer uma droga melhor.

Leia mais

Para resolver esse problema, químico da Universidade de Harvard Andrew Myers e seus colegas adaptaram uma estratégia “dividir e conquistar” que tinham aplicado a antibióticos de tetraciclina em 2005. Eles começaram com três estruturas básicas do anel macrólido e quebrou cada um para baixo em oito módulos moleculares. Eles, então, cuidadosamente traçado reações necessárias para colocar os pedaços juntos novamente. Para dois desses ligantes que até inventou reações químicas novas para forjar os laços exatamente assim. Isto permitiu-lhes para mexer com os módulos individualmente, e depois remontá-las. Ao repetir a estratégia mais e mais, eles forjaram mais de 300 inteiramente novos macrolídeos.

Quando administrado a um painel de culturas bacterianas de laboratório, vários destes compostos exibiram atividade antibiótica potente contra micróbios resistentes aos antibióticos, incluindo os resistentes à meticilina (Staphylococcus aureus e Enterococcus) e resistentes a vancomicina, a equipe publicou hoje sua pesquisa na Nature.

Talvez igualmente importante, Myers diz, é que todas as reações utilizadas para a montagem produziram alto rendimento dos produtos finais. Isso é essencial, diz ele, porque as bactérias não produzem a matéria-prima para os novos compostos. Assim, se qualquer um deles revela um medicamento valioso, os químicos serão capazes de sintetizar quantidades grandes, barata a partir do zero.

“Este é um grande exemplo de como a química é bonita e terá um benefício social tangível”, diz Phil Baran, um químico orgânico do Instituto de Pesquisa Scripps, em San Diego, Califórnia. Myers criou uma empresa, Macrólido Pharmaceuticals, para comercializar o trabalho.

Fonte: Science Magazine

Comentários

Loading...