Babuínos e macacos rhesus são tão bons em matemática quanto crianças

0 12




Pesquisadores descobriram que babuínos e macacos rhesus têm habilidades de matemática iguais as crianças humanas.

A pesquisa concluiu que os primatas possuem habilidades básicas de cálculo e são capazes de distinguir entre pequenas e grandes quantidades.

Os pesquisadores compararam seres humanos e primatas, incluindo o povo Tsimane: um grupo de pessoas que habita uma área remota na floresta tropical boliviana.

A Dra. Jessica Cantlon, professora associada em ciências cognitivas na Universidade de Rochester, vem pesquisando as origens da compreensão numérica em humanos. Este mês, a Dra. Cantlon e três de seus colegas da Universidade de Rochester e do Seneca Park Zoo publicaram um estudo na revista Nature Communications que mostra que os primatas têm a capacidade de distinguir grandes e pequenas quantidades de objetos, independentemente da área superficial que aparecem ocupar.

A pesquisa

macacos rhesus
Babuínos e macacos rhesus tiveram desempenho semelhantes a crianças.
Leia mais

Os pesquisadores estudaram humanos e primatas, incluindo adultos e crianças nos Estados Unidos, bem como adultos do povo Tsimane na Bolívia.

Os pesquisadores descobriram que ao distinguir entre pequenas e grandes quantidades, todos os grupos basearam seus julgamentos sobre o número de pontos versus a área de superfície ocupada pelos pontos.

Dr. Stephen Ferrigno, pesquisador da Universidade de Rochester e co-autor do estudo, disse: “Isso mostra que o aspecto espontâneo da extração de informações numéricas provavelmente tem uma base evolutiva, porque isso tem sido visto em todos os seres humanos e também com outras espécies de primatas “.

O estudo mostrou, no entanto, que o viés em relação aos números versus área de superfície foi mais forte em seres humanos em comparação com primatas, e este viés também aumentou com a idade e a educação matemática em seres humanos.

“À medida que as crianças envelhecem, elas são mais propensas a representar informação numérica do que outras informações quantitativas”, disse Ferrigno.

“Da mesma forma, quando os adultos de Tsimane tinham mais educação em matemática, eles eram mais propensos a representar números em oposição a outras dimensões.”

Os pesquisadores dizem que isso poderia ser útil para as pessoas que estão interessadas em melhorar a educação matemática precoce.

Os testes com primatas e crianças e adultos nos Estados Unidos foram realizados com monitores de tela sensível ao toque, mas para os adultos Tsimane foram testados com impressões laminadas porque eles têm uma exposição limitada a tais dispositivos.

Vídeo:

Fonte: Daily Mail

Comentários

Loading...