Cientistas podem ter descoberto a primeira lua fora do sistema solar

0 741

A primeira suspeita de uma lua fora do sistema solar está entrando em foco. Observações do Telescópio Espacial Hubble reforçaram essa descoberta.

A lua, do tamanho de Netuno, orbita um exoplaneta de gás a 8.000 anos-luz de distância, relataram astrônomos no dia 3 de outubro na Science Advances.

A existência da lua, se confirmada, desafiaria as teorias sobre como os satélites nascem.

Os astrônomos David Kipping e Alex Teachey da Columbia University focaram o Hubble na estrela Kepler 1625 por 40 horas em 28 e 29 de outubro de 2017.

A estrela era conhecida por ter um planeta do tamanho de Júpiter orbitando a cada 287 dias, graças às observações feitas pelo Kepler, telescópio espacial, que detecta quedas na luz das estrelas que indicam que um planeta está em trânsito na frente da estrela.

Teachey e Kipping tinham visto sinais nos dados do Kepler de um segundo escurecimento, exatamente o que eles esperariam se uma exo-lua estivesse orbitando o planeta.

O par nomeou a suposta lua Kepler 1625b i, ou “Neptmoon”, para abreviação. Mas os pesquisadores precisaram de mais observações para ter certeza de que realmente era uma lua, não outro planeta ou atividade na estrela.

Para ver a lua fora do sistema solar eles utilizaram o telescópio Hubble.

O Hubble, cuja sensibilidade é 3,8 vezes maior que a do Kepler, detectou uma queda secundária na luz depois que o planeta cruzou a estrela.

Ambos os sinais são consistentes com o Neptmoon existente. Ainda assim, “ainda não estamos abrindo garrafas de champanhe”, disse Dr. Teachey em uma coletiva de imprensa no dia 1º de outubro.

A equipe quer checar novamente no Hubble, esperançosamente durante o próximo trânsito em maio de 2019, ele disse. “As coisas parecem excitantes, tentadoras, talvez atrativas.”

Leia mais

O astrofísico Dr. René Heller, do Instituto Max Planck de Pesquisa do Sistema Solar, em Göttingen, na Alemanha, diz que, embora a análise de dados seja impressionante, “continuo cético” sobre a existência da exo-lua. Ele também quer ver outro trânsito e melhores observações da estrela.

Um motivo para cautela é a estranheza da própria lua. Em nosso sistema solar, as luas se formam de três maneiras: por serem lançadas de um planeta em um impacto, por coalescência de gás e rocha orbitando o planeta ou sendo capturadas pela gravidade do planeta. Não está claro como esses cenários poderiam criar uma lua tão grande quanto Kepler 1625b i.

“Kepler 1625b i, se real, seria cerca de 10 vezes mais massivo que a massa de todas as luas e planetas do sistema solar combinados”, diz Dr. Heller, que não esteve envolvido no estudo.

“Isso sugere que essa lua teria se formado de uma maneira completamente diferente de qualquer lua no sistema solar”.

Fonte: News Science

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More