Notícia Alternativa
Notícia interessante é Notícia Alternativa - Ciência/Saúde/Cultura/Tecnologia

Novo parasita, primo da Leishmania, é descoberto na Austrália.

0 64




Um novo estudo descobriu uma nova espécie de parasita que vive na Austrália, que compartilha um ancestral evolutivo com um aterrorizante grupo de parasitas carnívoros.

O novo parasita – Zelonia australiensis foi recentemente descoberto em uma espécie de mosca negra australiana que morde mamíferos – incluindo seres humanos.

Dr. Joel Barratt, especialista em parasitas na Universidade de Tecnologia de Sydney (UTS), e pesquisador responsável pela nova descoberta, diz que embora esta espécie provavelmente não coma carne, a descoberta mostra que os cientistas precisam estar mais conscientes doenças tropicais emergentes semelhantes na região.

Link 100% seguro

“Em conjunto com pesquisa anterior, este estudo fornece pistas sobre o que esses parasitas são capazes, adaptando-se a infectar novas espécies”, disse ele.

A descoberta coincidiu com um aumento nos casos da versão carnívora do parasita – chamada Leishmania – na Austrália e em todo o mundo ao longo das últimas décadas. Isto também aumentou a doença causada pela parasita – leishmaniose.

“Com mais turismo internacional e migração de refugiados de regiões endêmicas, a leishmaniose emergiu como uma infecção cada vez mais importada na Austrália”, disse um dos pesquisadores, Dr. Damien Stark, do Hospital São Vicente.

Os pesquisadores dizem que a compreensão deste novo parasita e a evolução da espécie como um todo pode dar-lhes mais informações sobre a transmissão de Leishmania.

De acordo com os pesquisadores, a Austrália em geral não está muito bem equipada para lidar com uma série de doenças tropicais, como Dengue, vírus Zika, encefalite japonesa, Chikungunya, SARS, MERS e Ebola, que poderiam causar surtos.

Uma parte da solução proposta pelos pesquisadores poderia ser a criação de uma versão australiana do Centro Americano de Controle de Doenças (CDC). Esta não é a primeira vez que esta recomendação foi apresentada, com um comitê de 2013 encontrando a mesma coisa.

“A falta de ação é preocupante – devemos permanecer vigilantes e desempenhar um papel na vigilância, pesquisa e prevenção dessas doenças infecciosas”, disse Dr. Stark.

A pesquisa foi publicada em PLOS Neglected Tropical Diseases.

Inscreva-se no Notícia Alternativa
Inscreva-se no Notícia Alternativa
Inscreva-se para receber mais notícias e atualizações
Você pode desativar quando quiser