Pesquisa descobre fato interessante sobre a legalização do aborto – Entenda!

0 646

Tornar os abortos ilegais não diminui a taxa de aborto, apenas os tornam mais perigosos. Entenda mais!

Essas descobertas provêm de um novo relatório do Instituto Guttmacher que reuniu os últimos dados sobre as taxas de aborto em todo o mundo, bem como as últimas informações sobre as leis que regulam o aborto e sua segurança.

“As taxas de aborto são semelhantes em países onde o aborto é altamente restrito e onde é amplamente legal”, de acordo com o Instituto.

“A taxa de aborto é de 37 por 1.000 mulheres em países que proíbem completamente o aborto ou permitem apenas poupar a vida de uma mulher e 34 por 1.000 em países que permitem o aborto sem restrições quanto à razão – uma diferença que não é significativa”.

Das 1,64 milhões de mulheres do mundo em idade reprodutiva, 6 por cento vivem onde o aborto é totalmente ilegal e 37 por cento vivem onde é permitido sem restrições quanto ao motivo.

A América Latina e o Caribe possuem a maior taxa anual de aborto de qualquer região mundial, com 44 por 1.000 mulheres em idade reprodutiva.

Mais de 97% das mulheres que vivem nesses países vivem sob leis restritivas ao aborto. As taxas mais baixas foram encontradas no Norte da Europa e na América do Norte, aproximadamente 17 por 1.000 mulheres, onde os abortos são amplamente legais e as restrições estão entre as menos rigorosas do mundo.

Embora essas estatísticas reflitam toda uma gama de fatores socioeconômicos e culturais, desde os níveis de atenção à saúde até o estigma social, isso mostra que o efeito das restrições legais sobre as taxas parece ser mínimo.

“Restrições legais não eliminam o aborto”, escrevem os autores do estudo.

Em vez disso, aumentam a probabilidade de que os abortos sejam feitos de maneira insegura, pois obrigam as mulheres a buscar procedimentos clandestinos. De fato, o aborto tende a ser mais seguro em países onde é amplamente legal e em países com uma alta renda nacional.

Um sentimento apoiado por um estudo recente – a análise mais abrangente e rigorosa de todos os dados disponíveis sobre os desfechos médicos de encerramentos ainda – publicado pelas Academias Nacionais de Ciências, Engenharia e Medicina dos EUA.

O relatório também encontrou uma enorme disparidade entre nações ricas e pobres. Dos 56 milhões de abortos induzidos que ocorreram a cada ano entre 2010 e 2014, estima-se que 45% eram inseguros.

Cerca de 97% desses abortos inseguros ocorrem em regiões em desenvolvimento, a maioria dos quais possui leis de aborto altamente restritivas.

“Melhorias nas leis de aborto, diretrizes e práticas de provisão de serviços em vários países tornaram o aborto mais seguro em todo o mundo; no entanto, milhões de mulheres que vivem em países onde o aborto é altamente restrito continuam a experimentar as consequências negativas do aborto inseguro”, disse Sneha Barot, Gerente Sênior de Políticas do Instituto Guttmacher, em um comunicado.

Fonte: IFLS

Get real time updates directly on you device, subscribe now.

Inscreva-se no Notícia Alternativa
Inscreva-se no Notícia Alternativa
Inscreva-se para receber mais notícias e atualizações
Você pode desativar quando quiser