Pessoas mais velhas são tão boas em julgar músicas quanto os mais jovens

0 19

Pode ser que muitas de nossas habilidades mentais declinem com a idade, mas aqui está uma que não é assim – nossa capacidade de avaliar músicas.

Quando você escuta música, seu cérebro tenta prever a próxima nota, independentemente de ter algum treinamento musical. Esta adivinhação ativa é parte do que torna a música tão envolvente.

Dr. Joydeep Bhattacharya, da Goldsmiths, da Universidade de Londres, e sua equipe mediram as ondas cerebrais de 14 adultos com menos de 33 anos, e 15 pessoas com 62 anos ou mais, quando ouviram música.

Todos os participantes ouviram 100 peças curtas, especialmente concebidas para o estudo. Cada peça terminou em uma progressão melódica padrão usada na música ocidental, ou em um padrão heterodoxo.

Muitas das funções executivas de nosso cérebro tornam-se prejudicadas à medida que envelhecemos, mas isso não foi o caso ao detectar uma falta de harmonia. Ambos os grupos detectaram as terminações inesperadas igualmente bem.

Entretanto, os idosos empregavam uma região mais ampla do cérebro. “Recrutar uma região mais ampla talvez compense o prejuízo esperado que muitas vezes ocorre com a idade”, diz Dr. Bhattacharya.

“A ideia de compensação é muito interessante”, diz Dr. Christopher Plack da Universidade de Lancaster, no Reino Unido. Mas eu diria que pesquisas adicionais são necessárias para entender se os ouvintes mais velhos usam uma área mais ampla de seu cérebro porque eles têm que, ou simplesmente como resultado de muitos anos de exposição à música.

 

Leia mais

Fonte: New Scientist

Comentários

Loading...