Educação e insuficiência cardíaca estão associados! Entenda.

0 4

Pesquisas mostraram que os pacientes são mais propensos a morrer de insuficiência cardíaca após ataque cardíaco se eles têm um nível educacional mais baixo

“A insuficiência cardíaca é uma complicação grave do infarto agudo do miocárdio e aumenta substancialmente o risco de morte”, disse o Dr. Gerhard Sulo, um pós-doutorado na Universidade de Bergen, na Noruega.

O estudo do Dr. Gerhard investigou a associação entre nível educacional e o risco de desenvolver insuficiência cardíaca após um infarto agudo do miocárdio (IAM). O estudo incluiu 70.506 doentes com idades de 35 a 85 anos. Esses pacientes haviam sido hospitalizados com um primeiro (incidente) IAM durante 2001 a 2009, e não têm uma história de insuficiência cardíaca.

Informações sobre o mais alto nível de educação atingido foi obtido a partir do Banco de Dados Nacional de Educação norueguês. Educação foi classificada como primária, secundária, ou superior.

Os pacientes foram acompanhados por um episódio incidente de insuficiência cardíaca até 31 de Dezembro de 2009. Dos 70.506 pacientes incluídos na análise, 17,7% foram diagnosticados com insuficiência cardíaca precoce. Pacientes com ensino secundário ou terciário tiveram, respectivamente, 9% e 20% menos risco de insuficiência cardíaca em comparação com aqueles com ensino fundamental.

11,8% dos pacientes foram diagnosticados com insuficiência cardíaca de início tardio. O tempo de acompanhamento foi de 3,4 anos. Pacientes com ensino secundário ou terciário tiveram, respectivamente, 14% e 27% menor risco de insuficiência cardíaca em comparação com pacientes com educação primária.

insuficiência cardíaca
Resultado do estudo.
Leia mais

Quando as análises foram restritos aos pacientes que receberam revascularização coronária para limpar artérias bloqueadas após a IAM, aqueles com ensino secundário ou terciário tiveram, respectivamente, 16% e 33% menor risco de insuficiência cardíaca de início tardio em comparação com aqueles com ensino fundamental.

As diferenças educacionais no risco de início precoce e insuficiência cardíaca de início tardio foram semelhantes em homens e mulheres.

O que diz o pesquisador:

Dr Sulo disse: “A educação por si só não pode ser considerada uma proteção no sentido clássico. Mas representa um agrupamento de características que influenciam comportamentos e resultados de saúde. Tem sido demonstrado que os pacientes com menor escolaridade tendem a atrasar a procura de cuidados médicos quando sintomas de ataque ocorrem e têm menor acesso aos cuidados especializados. Ambos os fatores aumentam o risco de desenvolver insuficiência cardíaca precoce pós-IAM. Aqueles com menor grau de escolaridade são mais propensos a terem coexistindo condições médicas e estilos de vida pouco saudáveis que também aumentam o risco de insuficiência cardíaca.”

Dr Sulo concluiu: “São necessários esforços focados para garantir que os pacientes de ataque cardíaco com baixa escolaridade obtenham ajuda mais cedo, ter igualdade de acesso ao tratamento, tomar seus medicamentos, e são incentivados a melhorar os seus estilos de vida. Isso deve ajudar a reduzir o fosso socioeconômico após um ataque cardíaco. “

Fonte: European Journal of Preventive Cardiology

Comentários

Loading...