Notícia Alternativa
Notícia interessante é Notícia Alternativa - Ciência/Saúde/Cultura/Tecnologia

Qual a idade máxima que um ser humano pode viver? Veja resposta!

0 124

Emma Morano faleceu em abril passado. Aos 117 anos, a mulher italiana era o ser humano vivo mais idoso do mundo.

Os super centenários, como Morano e Jeanne Calment, da França, que viveu até os famosos 122 anos, continuam a fascinar os cientistas e levaram-os a imaginar quanto tempo os humanos podem viver.

Um estudo publicado na Nature em outubro passado concluiu que o limite superior da idade humana atinge um pico de cerca de 115 anos.

Agora, no entanto, um novo estudo publicado na Nature dos biólogos, da Universidade McGill, Dr. Bryan G. Hughes e Dr. Siegfried Hekimi chega a uma conclusão completamente diferente.

Ao analisar o tempo de vida dos indivíduos mais longos dos EUA, Reino Unido, França e do Japão para cada ano desde 1968, Dr. Hekimi e Dr. Hughes não encontraram evidências de tal limite e, se esse máximo existe, ainda não foi alcançado ou identificado, diz Hekimi.

“Nós simplesmente não sabemos qual é o limite de idade podemos alcançar. De fato, ao ampliar as linhas de tendência, podemos mostrar que a expectativa de vida máxima e média pode continuar a aumentar até o futuro previsível”, diz Hekimi.

Muitas pessoas estão conscientes do que aconteceu com a expectativa de vida média. Em 1920, por exemplo, o recém-nascido canadense poderia esperar viver 60 anos. Um canadense nascido em 1980 poderia esperar 76 anos, e hoje, a expectativa de vida saltou para 82 anos. O tempo de vida máximo parece seguir a mesma tendência.

É impossível prever a expectativa de vida futura nos seres humanos, diz Hekimi. Alguns cientistas argumentam que a tecnologia, intervenções médicas e melhorias nas condições de vida poderiam repelir o limite superior.

“É difícil adivinhar”, acrescenta Hekimi. “Trezentos anos atrás, muitas pessoas viveram apenas vidas curtas. Se lhes dissessem que um dia a maioria dos humanos poderia viver até 100, eles teriam dito que estávamos loucos”.

Fonte: Eurekalert