Todos os seres humanos são descendentes de um único casal?

0 467

Um estudo publicado no início do ano alegou que todos os seres humanos são descendentes de um único casal, mas essa alegação já foi contestada.

O estudo em que essa afirmação foi feita foi publicado pela primeira vez na revista Human Evolution em maio deste ano.

Nele, cientistas da Universidade Rockefeller, em Nova York, olharam para trás, entre 100.000 e 200.000 anos atrás, quando disseram que um evento de extinção desconhecido poderia ter ocorrido, reduzindo a população de muitas espécies, incluindo humanos, dramaticamente.

“A média de 0,1 por cento de diversidade genética dentro da humanidade hoje corresponde à divergência dos humanos modernos como uma espécie distinta de cerca de 100.000 a 200.000 anos atrás”, disseram, “não muito em termos evolucionários. O mesmo é provavelmente verdade de mais de 90 por cento das espécies na Terra hoje ”.

Os resultados foram baseados em uma técnica chamada DNA barcoding, que pode identificar uma sequência curta de DNA, preferencialmente na mitocôndria. No estudo, eles analisaram mais de 5 milhões de códigos de barras mitocondriais de mais de 100.000 espécies de animais.

Por alguma razão que não é totalmente clara, porém, algumas pessoas parecem ter interpretado erroneamente os resultados em pensar que toda a humanidade veio de um único par de adultos, obviamente fazendo comparações com Adão e Eva.

Mas, como Michael Marshall aponta na Forbes, isso não é verdade. “O estudo em que eles repousam não demonstra nada do tipo, e outras linhas de evidência sugerem fortemente que as populações humanas passadas sempre foram muito maiores que duas pessoas”, disse ele.

Ele apontou algumas razões pelas quais não era esse o caso.

Primeiro, é difícil tirar conclusões importantes do DNA mitocondrial. Em segundo lugar, não há evidências de um grande evento de extinção há 200 mil anos. E a alegação do estudo de que um evento ocorreu entre 100.000 a 200.000 anos atrás “é tão vago quanto a ser sem sentido”.

Além disso, observou-se que os pesquisadores disseram que suas descobertas eram “consistentes” com a existência de um par de humanos fundadores, não que eles realmente encontrassem um par.

Juntamente com evidências de que os seres humanos são tão antigos quanto 500.000 anos, as descobertas deste estudo parecem instáveis ​​na melhor das hipóteses.

Leia mais

Como com qualquer coisa na ciência, lembre-se sempre que – como disse o falecido Carl Sagan – alegações extraordinárias exigem evidências extraordinárias. Há muitas histórias interessantes e legítimas por aí, mas mantenha sempre esse chapéu cético pronto, só por precaução.

Fonte: IFLS

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More