Notícia Alternativa
Notícia interessante é Notícia Alternativa - Ciência/Saúde/Cultura/Tecnologia

Longas horas de trabalho diário podem causar problemas cardíacos

0 345

A cultura de trabalhar por longas horas pode afetar mais do que sua vida social – os dias longos no trabalho também podem ser ruins para o seu coração, de acordo com um grande estudo.

Pesquisas anteriores já mostravam que trabalhar muitas horas por dia pode aumentar o risco de um acidente vascular cerebral.

Agora, outro estudo mostrou que trabalhar mais de 55 horas por semana significa aumenta em 40% a chance de desenvolver um batimento cardíaco irregular, conhecido como fibrilação atrial (AF), quando comparado com pessoas com um melhor equilíbrio entre trabalho e vida.

A fibrilação arterial acontece porque os impulsos elétricos naturais que controlam o ritmo regular normal do coração perdem sua coordenação.

Pessoas com essa condição podem ter palpitações – a sensação de um pulso acelerado ou irregular – além de sentir-se ofegante e tonto.

Mas algumas pessoas com FA não apresentam sintomas, e é por isso que a Fundação Britânica do Coração incentiva as pessoas a verificarem se o pulso é regular e a consultarem um médico se tiverem dúvidas.

É importante diagnosticar a fibrilação arterial porque essa condição aumenta a chance de AVC em cinco vezes, e os tratamentos para diluir o sangue podem reduzir muito esse risco.

A equipe de pesquisa, liderada pela professora Dra. Mika Kivimaki, do departamento de epidemiologia do University College de Londres, analisou os dados sobre os padrões de trabalho de 85.494 homens e mulheres, de meia idade, originários do Reino Unido, Dinamarca, Suécia e Finlândia.

O estudo foi publicado no European Heart Journal.

Tim Chico, um cardiologista de Sheffield não envolvido com o estudo, também teve alguns conselhos úteis para aqueles preocupados que o trabalho poderia prejudicar seu coração:

“A maioria das pessoas que trabalham longas horas não terão o luxo mudar seus padrões de trabalho. Nós já sabemos que obesidade, diabetes, hipertensão arterial e tabagismo aumentam o risco de AF e, portanto, as pessoas podem reduzir o risco ao abordar esses fatores sem precisarem encontrar outro emprego!”