Notícia interessante é Notícia Alternativa - Ciência/Saúde/Cultura/Tecnologia

Gelo inflamável – China encontrou o combustível do futuro!

0 235

A China extraiu com sucesso o gelo inflamável no mar após quase duas décadas de trabalho de pesquisa.

O gelo inflamável foi descoberto no Mar da China Meridional em 2007.

De acordo com o estado chinês Xinhua, um metro cúbico de gelo inflamável é igual a 164 metros cúbicos de gás natural regular.

O ministro da Terra e Recursos Jiang Daming anunciou o sucesso em 18 de maio. O local de mineração foi na área de Shenhu do Mar da China Meridional, 320 quilômetros da costa da cidade de Zhuhai.

A mineração experimental começou em 28 de março em uma profundidade de 4.153 pés. Durante o processo, foram extraídos cerca de 16.000 metros cúbicos de gás por dia.

Gelo inflamável

O teor de metano foi de até 99,5 por cento de gás natural.

O ministro afirmou que foi um grande avanço que pode levar a uma revolução energética global.

A quantidade de recursos previstos é equivalente a mais do dobro daqueles dos combustíveis fósseis, como carvão, petróleo e gás natural.

O gelo inflamável, uma espécie de hidrato de gás natural, foi descoberto no Mar da China Meridional em 2007. Nas últimas duas décadas, a China tem pesquisado e explorado a área.

Leia mais

O gelo inflamável é encontrado no fundo do mar. Pode ser inflamado como o etanol sólido. Um metro cúbico de gelo combustível é igual a 164 metros cúbicos de gás natural regular.

Zhong Ziran, chefe do Departamento de Pesquisa Geológica da China, disse à Xinhua que o gelo combustível é mais ecológico do que o petróleo.

Qiu Haijun, diretor do quartel-general de mineração experimental, disse aos repórteres: “Com a tecnologia avançada, poderíamos ajudar a resolver o problema dos recursos energéticos e estimular o desenvolvimento econômico e os intercâmbios entre os países”.

Os EUA, Canadá e Japão também têm pesquisado sobre o gás inflamável. No início deste mês, o Japão anunciou que foi bem-sucedido na produção do gás natural na costa do Pacífico e continuará a explorá-lo por cerca de três a quatro semanas, relata o South China Morning Post.

Fonte: Daily Mail