Exercício físico é a melhor alternativa contra fadiga relacionada ao câncer

0 18

O exercício e/ou a terapia psicológica funcionam melhor do que os medicamentos para reduzir a fadiga relacionada ao câncer e devem ser recomendados aos pacientes

“Se um paciente com câncer está tendo problemas com a fadiga, ao invés de procurar copos extras de café, uma soneca ou uma solução farmacêutica, considere uma caminhada de 15 minutos”, disse a autora principal Dra. Karen Mustian.

O estudo foi publicado na revista JAMA Oncology.

Os cientistas chegaram a suas conclusões sobre exercício e intervenções psicológicas após analisar os resultados de 113 estudos únicos que testaram vários tratamentos para a fadiga relacionada ao câncer. Todos foram ensaios clínicos randomizados, o padrão-ouro para a avaliação de tratamentos eficazes.

A análise começou com 17.033 artigos e foi reduzida aos 113 que atendiam a critérios de métodos científicos rigorosos.

Mais de 11.000 pacientes foram envolvidos nos 113 estudos. Quase metade eram mulheres com câncer de mama; Dez estudos focados em outros tipos de câncer e voltados apenas para homens.

Os dados mostram que o exercício sozinho – seja aeróbico ou anaeróbio – reduziu a fadiga relacionada ao câncer mais significativamente. Intervenções psicológicas, tais como terapia concebida para fornecer educação, mudar o comportamento pessoal, e adaptar a forma como uma pessoa pensa sobre suas circunstâncias, também melhora a fadiga.

Leia mais

Finalmente, o estudo mostrou que as drogas testadas para o tratamento da fadiga relacionada ao câncer não foram tão eficazes. (Essas drogas incluem estimulantes como modafinil, que pode ser usado para narcolepsia, e Ritalina, que trata o TDAH.)

“A literatura confirma que estas drogas não funcionam muito bem, embora eles são continuamente prescritos”, disse Dra. Mustian. “Pacientes com câncer já tomam um monte de medicamentos e todos eles vêm com riscos e efeitos colaterais”.

Fadiga relacionada ao câncer

Todos os participantes nos estudos analisados ​​sofreram fadiga relacionada ao câncer, o efeito colateral mais comum durante e após o tratamento do câncer. Este tipo de fadiga é diferente de estar cronicamente cansado, disse Dra. Mustian.

É uma sensação esmagadora que não é aliviada pelo repouso ou pelo sono, e pode persistir por meses ou anos. Os pesquisadores acreditam que a fadiga relacionada ao câncer pode ser o resultado de um estado crônico de inflamação induzida pela doença ou pelo seu tratamento.

O mais preocupante, é que a fadiga pode diminuir as chances de um paciente de sobrevivência porque diminui a probabilidade de completar tratamentos médicos. Ela observou que o National Cancer Institute escolheu a fadiga relacionada ao câncer como uma prioridade de pesquisa.

Dra. Mustian e vários colegas em Wilmot têm estudado o exercício no contexto do câncer por quase 15 anos. Seus estudos já testaram yoga suave, caminhadas, exercícios de resistência e outras formas de movimento como terapias para diminuir os efeitos colaterais. A equipe de Wilmot também investiga os caminhos biológicos impactados pelo exercício em pacientes com câncer.

 

Fonte: Eurekalert

Comentários

Loading...