Exercícios respiratórios podem ajudar pacientes com COVID-19?

câncer-de-pulmão Exercícios respiratórios
0 243

Respirações profundas e tosse forçada podem ajudar a limpar o muco, mas podem ajudar pessoas com casos leves de COVID-19?

Os exercícios respiratórios são uma parte importante do gerenciamento de algumas condições respiratórias, como doença pulmonar obstrutiva crônica.

Os principais objetivos desses exercícios são limpar os pulmões do muco pegajoso, coordenar sua respiração com medicamentos para fornecer a dose ideal e manter as vias aéreas abertas, diz Dr. Michael Niederman, da Weill Cornell Medicine, em Nova York.

Esses exercícios geralmente envolvem respirações profundas e tosse com expectoração, e os médicos podem recomendar dispositivos que vibram as vias aéreas para ajudar nisso.

Tais técnicas poderiam ajudar as pessoas com COVID-19?

Diante disso, exercícios simples de respiração, como os recomendados por um médico do Reino Unido em um vídeo viral amplamente compartilhado no Twitter, fazem sentido para pessoas com COVID-19, diz Dr. Niederman.

No vídeo, o médico recomenda respirar fundo e prendê-la antes de liberá-lo. O médico sugere repetir isso cinco vezes, antes de terminar uma rodada final de respiração com uma grande tosse.

O exercício é semelhante a outros usados ​​nos cuidados respiratórios, diz Dr. Niederman. Respirações profundas geralmente são uma boa ideia, porque podem ajudar a infiltrar o ar nas “profundezas” dos pulmões. Se esses alvéolos do pulmão não forem usados, eles podem fechar e ficar em risco de infecção, diz Niederman.

As respirações profundas também podem aumentar a quantidade de oxigênio que entra no corpo e o volume de dióxido de carbono que sai, diz Dra. Ema Swingwood, presidente da Associação de Fisioterapeutas em Cuidados Respiratórios.

Tosse seca

Leia mais

Embora respirações profundas possam ser úteis, geralmente não é uma boa ideia inspirar pela boca ao tomá-las, como faz o médico do vídeo.

Inalar uma grande quantidade de ar pela boca pode aumentar a tosse seca existente. Respirar pelo nariz é uma ideia melhor, diz Dra. Swingwood. “O nariz aquece e umedece o ar que você aspira”, diz ela. “Respirar ar seco não vai ajudá-lo.”

Uma tosse forte ao final de um ciclo respiratório ajudaria a limpar o muco, diz Niederman. O problema é que a maioria das pessoas que desenvolvem tosse por COVID-19 tem tosse seca. Para essas pessoas, é improvável que grandes tosses sejam úteis.

O aconselhamento nas mídias sociais também recomenda deitar de frente quando você concluir os exercícios respiratórios. A ideia é aliviar a pressão dos pulmões, localizados nas costas, atrás do coração. Em um ambiente hospitalar, acredita-se que virar uma pessoa dessa forma permite que o oxigênio alcance outras partes dos pulmões.

“Eu acho que, se eles estão com falta de ar, ou os níveis de oxigênio estão caindo…eu recomendo que as pessoas fiquem de barriga para baixo”, diz Dr. Niederman, embora ele acrescente que isso não será útil para pessoas com barrigas grandes ou aquelas que estão grávidas.

Mas Dr. Swingwood não está convencido

A decisão de virar os pacientes de barriga para baixo é tomada somente após considerar os níveis de oxigênio, frequência cardíaca, pressão arterial e frequência respiratória. E mesmo assim, os médicos monitoram como o paciente responde à nova posição.

Monitore seus sintomas

As pessoas que estão lidando com sintomas mais leves em casa provavelmente não se beneficiarão com essa posição, diz Dra. Swingwood. “É mais benéfico para pacientes mais doentes”, diz ela. “Deitar de barriga para baixo quando você estiver em casa provavelmente não ajudará em nada.”

Ela também diz que alguns indivíduos com falta de ar, como idosos e pessoas com distúrbios de saúde subjacentes, podem ter dificuldade para entrar e sair dessa posição.

A maior preocupação de Swingwood é que as pessoas que estão lutando para respirar tentem controlar seus sintomas em casa, em vez de procurar ajuda médica.

“Queremos garantir que as pessoas estejam relatando seus sintomas e recebendo tratamentos adequados”, diz ela.

“Mantenha-se hidratado”, aconselha Swingwood. “Monitore seus sintomas e comunique-os a um médico. Em hipótese alguma tente se auto-gerenciar com exercícios respiratórios”.

Os exercícios respiratórios também não impedirão as pessoas de se infectarem: “Acho que não sabemos completamente, mas é improvável que cause qualquer benefício extra ao fazer uma boa e velha caminhada”, diz Swingwood.

A higiene pessoal e o distanciamento social têm muito mais probabilidade de impedir que uma pessoa fique doente.

Fonte: New Scientist

Esse site utiliza cookies para melhorar sua experiência Aceitar Leia Mais