Cesáreas podem estar mudando a evolução humana. Confira!

0 13

A taxa de cesáreas está aumentando, isso significa que mais mulheres precisam da cirurgia para dar a luz. Mas isso pode estar alterando a evolução humana. Confira!

Obviamente, os benefícios médicos são enormes, prevenindo situações potencialmente fatais tanto para a mãe como para a criança. Mas uma nova pesquisa sugere que o procedimento também pode estar alterando a evolução humana.

Os pesquisadores do estudo afirmam que o número estimado de casos em que os bebês não podem nascer de parto normal aumentaram de cerca de 30 em 1.000 nascimentos na década de 1960 para 36 em 1.000 no presente dia. Isso equivale a um aumento de 20% em partos obstruídos. Algo que eles postulam poderia estar alterando a evolução dos seres humanos.

Há uma pressão seletiva para que os bebês nasçam maiores, porque os bebês maiores são mais prováveis sobreviver. Mas esta pressão evolutiva é contrabalançada pelas mulheres que tem a pelve estreita, como se pensa para ajudar as mulheres a andar eretas, bem como evitar a chance de um nascimento prematuro. Estes dois fatores opostos significam que o tamanho da cabeça de um bebê se encaixa de forma próxima da pelve de uma mulher.

No entanto, os pesquisadores afirmam que com um aumento na taxa de cesarianos, o equilíbrio entre essas forças está agora mudando. No passado, se a cabeça de um bebê era muito grande ou a pelve de uma mulher muito estreita, o bebê ficaria preso na pelve e normalmente mataria a criança e potencialmente a mãe, impedindo assim que os genes fossem transmitidos. No entanto, isso pode não ser mais o caso.

Os que dizem os cientistas

“Sem uma intervenção médica moderna, esses problemas eram, muitas vezes, letais e isso é, de uma perspectiva evolutiva, a seleção”, explica o Dr. Philipp Mitteroecker, da Universidade de Viena, co-autor do estudo publicado na PNAS. “Mulheres com uma pelve muito estreita não teria sobrevivido ao nascimento há 100 anos. Fazem agora e transmitem seus genes codificando uma estreita pélvis para suas filhas “.

Leia mais

Isso poderia, pelo menos em teoria, levar a mudanças evolutivas. Mas isso não é necessariamente o que está sendo visto. Os cientistas não forneceram realmente nenhuma evidência para suportar sua postulação, e conduziram seu trabalho usando a análise estatística baseada em dados coletados da organização mundial de saúde.

 

Fonte: IFLS

 

Comentários

Loading...