Função de estrutura do ouvido é revelada – Entenda!

0 304

Dentro do ouvido interno, existe uma estrutura chamada saco endolinfático. É uma estrutura minúscula envolta em osso denso, por isso, embora tenha sido conhecido pela ciência há séculos, tem sido muito difícil de estudar.

Enquanto os cientistas tinham suas suspeitas sobre sua verdadeira função, só agora eles finalmente confirmaram isso.

O saco endolinfático é uma válvula de pressão do líquido no ouvido interno. É feito de uma fina barreira de células que se expandem e se abrem, regulando a pressão. Conforme relatado no Journal eLife, o ouvido interno é crucial para nosso senso de equilíbrio e audição, portanto, o papel do saco endolinfático não pode ser subestimado.

Enquanto estudava o ouvido interno de peixe-zebra, um modelo animal comumente usado na ciência, a equipe de pesquisa testemunhou um comportamento peculiar. O saco endolinfático desses pequenos peixes estava inflando e desinflando como um relógio, então eles começaram a investigar o que estava acontecendo.

“Os cientistas sabem da existência do saco endolinfático por talvez 300 anos, mas não se entendeu exatamente o que ele faz”, disse o professor Sean Megason, da Harvard Medical School, em um comunicado.

Encontrar a explicação não foi fácil.

A análise inicial utilizou peixe-zebra mutante com sacos endolinfáticos maiores que o normal. A equipe testemunhou que os maiores não eram igualmente bons em deflacionar, o que os levou à suspeita de que a resposta poderia estar em um nível celular – e eles estavam certos.

A equipe usou micrografias eletrônicas de alta resolução do ouvido interno. Eles descobriram que as células no saco estão organizadas em projeções de membrana semelhantes a retalhos que se estendem das células. Quando as abas se sobrepõem, formam uma barreira. Quando se expande, eles são separados, deixando o fluido sair do saco e aliviar a pressão.

“Este estudo foi definitivamente um caso de ver e acreditar”, disse Megason. “Era muito importante ter microscopia de ponta em muitas frentes diferentes. Cada uma dessas diferentes técnicas de microscópio nos deu uma peça diferente do quebra-cabeça e, quando colocadas juntas, obtemos a imagem completa.”

Fonte: IFLS