Fundação divulga número impressionante de escravos no mundo.

0 0

Fundação australiana divulga nesta terça-feita relatório que contabiliza proximadamente 45,8 milhões de pessoas vivendo como escravos, entre elas milhões de crianças, na atualidade.

A escravidão moderna, que é vinculada a servidão por dívidas, exploração sexual comercial, tráfico humano, trabalho forçado e casamento servil ou forçado, afeta todos os 167 países que o estudo cobre, afirmou em comunicado a Fundação Walk Free, que realizou o estudo.

Entre as pessoas que vivem em estado de privação de liberdade, 58% se encontram na Índia, com 18,35 milhões, seguido por China (3,39 milhões), Paquistão (2,13 milhões), Bangladesh (1,53 milhões) e Uzbequistão (1,23 milhões).

O relatório, no entanto, destaca os avanços que a Índia está adotando para resistir a esse problema.

A organização, que apresentou nesta terça-feira o Índice Mundial de Escravidão 2016, detectou que desde o estudo anterior, feito há dois anos, houve um aumento de 10 milhões de pessoas consideradas como escravos modernos, o que representa um crescimento de 28%.

A Coreia do Norte, com 1,1 milhão de escravos modernos estimados, lidera o índice em relação à população total do país, com 4,3% de seus moradores sob regime de escravidão.

Segundo o estudo, os governos que lideram a luta contra a escravidão humana são Holanda, Estados Unidos, Reino Unido, Suécia, Austrália, Portugal, Croácia, Espanha, Bélgica e Noruega.

Escravos
Andrew Forrest

O australiano Andrew Forrest, magnata do setor de mineração, presidente e fundador da Walk Free, pediu aos governos das dez principais economias do mundo que implementem leis e destinem fundos para combater a escravidão moderna.

“Apelamos aos governos dos 10 principais economias do mundo a promulgar leis, pelo menos tão forte como a Lei UK Modern Slavery 2015, com um orçamento e capacidade para assegurar que as organizações sejam responsabilizadas pela escravidão moderna em suas cadeias de fornecimento, e para capacitar supervisão independente. Líderes das maiores economias do mundo devem trazer o poder da empresa para este problema, exigindo um foco na transparência da cadeia de fornecimento “.

“Eu acredito no papel crítico dos líderes no governo, empresas e sociedade civil”, disse Forrest. “Através do nosso uso responsável do poder, força de convicção, determinação e vontade coletiva, todos nós podemos levar o mundo a acabar com a escravidão.”

Sr. Forrest enfatizou o papel fundamental que o negócio precisa desempenhar na erradicação da escravidão:

“As empresas que não procuram ativamente trabalho forçado em suas cadeias de fornecimento estão de pé sobre uma plataforma em chamas. Os líderes empresariais que se recusam a olhar para as realidades de suas próprias cadeias de abastecimento são equivocadas e irresponsável “.

Fonte: Uol/Herald

Comentários

Loading...