Pequena porcentagem de pessoas espalharam Ebola para maioria dos casos em 2014

0 7

A maioria das pessoas infectadas com Ebola na epidemia da África Ocidental (2014) ficaram doentes por contato com um pequeno número de “super-espalhadores” da doença, disseram pesquisadores nesta segunda-feira.

O estudo publicado na Proceedings da Academia Nacional de Ciências mostra que os tais “super-espalhadores” podem ser extremamente perigosos quando se trata de surtos de doenças infecciosas.

A epidemia de Ebola da África Ocidental foi a maior da história e matou mais de 11.300 pessoas, com muitos dos casos envolvendo pessoas infectadas enquanto cuidava de uma pessoa doente ou enterrava um corpo.

“Nós vemos agora o papel dos super-espalhadores como maior do que inicialmente suspeitado,” disse o co-autor Dr. Benjamin Dalziel, um professor assistente de biologia da população na faculdade da ciência na universidade do estado de Oregon.

“Foram os casos que você não viu que realmente levou a epidemia, especialmente as pessoas que morreram em casa, sem chegar a um centro de saúde.”

Na época, os pesquisadores contaram o número de casos de acordo com aqueles vistos em centros médicos, mas depois perceberam que estes eram uma pequena fração do total.

“Não houve muita transmissão uma vez que as pessoas chegaram a hospitais e centros de saúde”, disse Dr. Dalziel.

“Em nossa análise, fomos capazes de ver uma teia de transmissão que, muitas vezes, rastreamos de volta até chegarmos no super-espalhador na comunidade.”

Na verdade, 61% dos infectados com a doença pegaram de pessoas responsáveis ​​por apenas 3% daqueles que adoeceram, disseram os pesquisadores.

Leia mais

Se os super-espalhadores tivessem sido completamente controlados, cerca de dois terços dos casos de Ebola poderiam ter sido evitados, disse o relatório.

Super-espalhadores também têm desempenhado um papel na epidemia de síndrome respiratória aguda grave, ou SARS, em 2003 e no Médio Oriente síndrome respiratória em 2012.

 

Fonte: Yahoo News

Comentários

Loading...