Droga promissora pode ajudar contra câncer de próstata – Entenda!

0 254

Um medicamento usado para tratar câncer de mama e ovário pode ajudar a combater alguns dos casos mais graves de câncer de próstata.

Os pesquisadores testaram o medicamento, chamado olaparibe, em um ensaio clínico randomizado de quase 400 homens com câncer de próstata avançado e uma mutação em um dos vários genes envolvidos na reparação de DNA danificado, como BRCA1 e BRCA2.

Esses defeitos genéticos aumentam o risco de certos tipos de câncer, incluindo mama e ovário. Até 30% dos homens com o câncer de próstata mais difícil de tratar também apresentam mutações nesse tipo de gene.

No ensaio clínico de Fase III, projetado para comparar o novo tratamento com o atual tratamento padrão, os homens foram divididos em dois grupos com base em suas mutações genéticas.

Os 245 homens de um grupo apresentaram mutações em alguns dos genes mais comumente associados ao câncer de mama e ovário (BRCA1, BRCA2 e ATM), enquanto os 142 homens do outro grupo apresentaram outras mutações nos genes de reparo do DNA. Cerca de dois terços dos homens em cada grupo tomaram olaparibe.

No geral, nos homens que receberam olaparibe, a doença progrediu mais lentamente em comparação com os medicamentos convencionais que privam as células cancerígenas do hormônio masculino testosterona.

Depois de um ano, cerca de 22% dos homens que tomavam olaparibe não tinham sinais de que o câncer estava progredindo, em comparação com 13,5% dos homens nos tratamentos padrão, relataram os pesquisadores em 30 de setembro em Barcelona na reunião da Sociedade Europeia de Oncologia Médica.

Mas, embora o novo tratamento pareça promissor até agora, é muito cedo para dizer como o medicamento afetará a sobrevida geral. O ensaio clínico, co-financiado por empresas farmacêuticas que fabricam olaparibe, AstraZeneca e Merck & Co, está programado para continuar no início de 2021.

A droga funciona de maneira semelhante no câncer de próstata, assim como nos cânceres de ovário e mama.

Se quiser saber mais sobre essa droga acesse: Sciencenews.com

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More