Bactérias das profundezas oceânicas estão consumindo CO2 – Saiba mais!

0 893

Bactérias que vivem a mais de 4.000 metros abaixo da superfície do Oceano Pacífico estão absorvendo cerca de 10% do dióxido de carbono que os oceanos retiram da atmosfera todos os anos.

A equipe de pesquisadores “descobriu que as bactérias bênticas estão absorvendo grandes quantidades de dióxido de carbono e assimilando-as em sua biomassa através de um processo desconhecido”.

“Isso foi completamente inesperado”, disse Dr. Andrew Sweetman, autor do estudo. “Para outros animais no fundo do mar, na verdade o que descobrimos é uma fonte potencial de alimento alternativo nas partes mais profundas do oceano, onde pensávamos que não havia nenhum. ”

Escrevendo para Oceanography and Limnology, os pesquisadores dizem que as bactérias, em vez de animais no fundo do mar, podem ser os “organismos mais importantes” que consomem resíduos orgânicos que flutuam em direção ao fundo do oceano.

Para examinar os processos celulares desses organismos, a equipe analisou amostras de sedimentos retirados de uma área no Oceano Pacífico oriental entre o Havaí e o México conhecida como Zona de Fratura Clarion-Clipperton (CCFZ), um ecossistema de águas profundas completamente desprovido de luz, mas flashes de bioluminescência e com um ambiente de fundo marinho surpreendentemente biodiverso.

As bactérias aqui “dominaram o consumo” de resíduos orgânicos em apenas um ou dois dias. Ao escalar seus resultados, isso equivale a cerca de 200 milhões de toneladas de dióxido de carbono que poderiam ser fixadas em biomassa a cada ano, tornando a região um elemento potencialmente importante no ciclo de carbono das águas profundas.

“Nós encontramos a mesma atividade em vários locais de estudo separados por centenas de quilômetros, então podemos razoavelmente assumir que isso está acontecendo no fundo do mar”, disse Sweetman.

Zona de Fratura Clarion-Clipperton (CCFZ) e o consumo de dioxido de carbono

O CCFZ é o lar de mais do que apenas esponjas do fundo do mar, anêmonas, camarões e octopodos. O fundo lamacento de argila é coberto com trilhões de nódulos polimetálicos do tamanho de uma batata contendo depósitos de níquel, manganês, cobre, zinco, cobalto e outros minerais, de acordo com a Pew Charitable Trusts.

nódulos polimetálicos
Exemplar de um nódulo polimetálico.

É uma área tão rica em minerais que a International Seabed Authority concedeu 16 contratos de exploração para grupos interessados em conduzir pesquisas para a futura mineração do leito marinho.

Leia mais

Supondo que os resultados possam ser aplicados, os autores dizem que suas descobertas podem ter implicações para a extração de minerais nessa região.

“Se a mineração continuar no CCFZ, isso afetará significativamente o ambiente do leito marinho”, disse Sweetman. “Apenas quatro experimentos semelhantes foram realizados in situ nas regiões abissais dos oceanos; precisamos saber muito mais sobre a biologia abissal do leito marinho e sua ecologia antes mesmo de considerar a mineração da região.”

Fonte: IFLS

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More