Existe algum alimento que possa prevenir ou curar o COVID-19?

0 282

Desde o início da pandemia de SARS-CoV-2, houve uma ampla disseminação nas mídias sociais de que certos alimentos e suplementos podem prevenir ou curar o COVID-19. Embora a Organização Mundial da Saúde (OMS) tenha tentado dissipar esses mitos em torno dos alimentos “milagrosos”, a desinformação continua circulando.

Embora todos desejemos nos proteger e descobrir como curar o COVID-19, atualmente não há evidências de que comer certos alimentos ou seguir determinadas dietas nos protejam do coronavírus.

Aqui estão alguns dos mitos mais comuns desmascarados:

Mito 1: alho

Existem evidências de que o alho tem efeitos antibacterianos, com estudos existentes indicando que os compostos ativos do alho (incluindo alicina, álcool alílico e dissulfeto de dialil) são protetores contra alguns tipos de bactérias como salmonela e staphylococcus aureus. No entanto, pesquisas que investigam as propriedades antivirais do alho são limitadas.

Embora o alho seja considerado um alimento saudável, não há evidências de que comê-lo possa prevenir ou curar o COVID-19.

Mito 2: limão

Um vídeo viral do Facebook afirmou que beber água morna com fatias de limão poderia combater um novo coronavírus. No entanto, não há evidências científicas de que o limão possa curar a doença.

O limão é uma boa fonte de vitamina C, importante para ajudar as células imunológicas a funcionarem corretamente. No entanto, muitas outras frutas e legumes cítricos também contêm vitamina C.

Mito 3: vitamina C

Como afirmado anteriormente, a vitamina C é conhecida por desempenhar um papel no apoio ao funcionamento normal do sistema imunológico. No entanto, não é o único nutriente que mantém o sistema imunológico funcionando em ordem.

A maioria das informações erradas sobre vitamina C e coronavírus vem de estudos que investigaram as ligações entre a vitamina C e o resfriado comum.

Apesar das alegações on-line de que a vitamina C pode prevenir e tratar o resfriado comum, as evidências que sustentam essa informação são limitadas e conflitantes. Também existem diferenças significativas entre o resfriado comum e o coronavírus.

Atualmente, não há evidências fortes de que a suplementação com vitamina C impeça ou cure o COVID-19.

Além disso, a maioria dos adultos ingerem o suficiente de vitamina C em uma dieta que inclui uma variedade de frutas e legumes.

Mito 4: alimentos alcalinos

A desinformação espalhada nas mídias sociais sugere que o vírus pode ser curado pela ingestão de alimentos com um pH (nível de acidez) superior ao pH do vírus.

Um pH abaixo de 7,0 é considerado ácido e um pH de 7,0 é neutro e acima de pH 7,0 é alcalino. Alguns dos “alimentos alcalinos” que dizem “curar” o coronavírus eram limões, limas, laranjas, chá de açafrão e abacate.

Leia mais

No entanto, muitas dessas fontes online fornecem valores incorretos de pH para esses alimentos. Por exemplo, o pH de um limão era 9,9, quando na verdade é muito ácido, com um pH de 2. Há alegações de que alimentos ácidos podem se tornar alcalinos após serem metabolizados pelo organismo.

No geral, não há evidências indicando que os alimentos possam afetar os níveis de pH do sangue, células ou tecidos – e muito menos curar infecções virais. O corpo regula os níveis de acidez, independentemente dos tipos de alimentos consumidos.

Mito 5: dieta cetogênica

A dieta cetogênica (ceto), que é rica em gorduras e com poucos carboidratos, é considerada nas redes sociais protetora contra o COVID-19.

Isso vem da ideia de que ele pode “impulsionar” o sistema imunológico.

Embora um estudo tenha mostrado que essa dieta pode prevenir ou tratar a gripe, este estudo utilizou modelos de camundongos. Isso torna difícil saber se teria um efeito semelhante em seres humanos na prevenção ou tratamento da gripe.

Atualmente, também não existem evidências científicas demonstrando que uma dieta cetogênica possa prevenir o coronavírus.

Conselho atual

A Associação Dietética Britânica (BDA) declarou que, até o momento, nenhum alimento ou suplemento específico pode impedir uma pessoa de contraia o COVID-19. Muito menos algum alimento que possa curar o COVID-19

Juntamente com os conselhos da OMS, a BDA incentiva as pessoas a terem uma dieta saudável e equilibrada para apoiar o sistema imunológico.

Uma dieta saudável e variada, contendo os cinco principais grupos alimentares, pode ajudar a fornecer à maioria das pessoas os nutrientes que precisam.

A maioria dos nutrientes que consumimos em nossa dieta regular (incluindo cobre, folato, ferro, zinco, selênio e vitaminas A, B6, B12, C e D) estão todos envolvidos na manutenção da função imunológica normal.

As pessoas também são incentivadas a tomar medidas de proteção contra o COVID-19, incluindo lavar as mãos com frequência, manter o distanciamento social e seguir o isolamento social.

No entanto, o BDA aconselha os adultos que vivem no Reino Unido a tomar um suplemento diário de 10 microgramas de vitamina D e ingerir alimentos ricos em vitamina D, como peixes oleosos, gemas de ovos e cereais matinais enriquecidos para garantir níveis adequados de vitamina D.

Esse conselho ocorre porque nossa principal fonte de vitamina D é a luz solar. Por causa das medidas de bloqueio, muitos de nós não estamos recebendo exposição suficiente à luz solar.

Quando se trata de desinformação on-line, às vezes pode ser difícil identificar o que é e o que não é verdade.

Mas, em geral, uma reivindicação provavelmente será “falsa” se:

  • Recomenda a ingestão de um alimento, bebida ou suplemento específico (especialmente em altas doses) para curar e prevenir o coronavírus;
  • Incentiva a restrição de grupos alimentares principais de sua dieta;
  • Destaca um determinado alimento em detrimento de outros para proteger ou tratar o vírus;
  • Inclui palavras-chave – como “limpar”, “curar”, “tratar”, “aumentar”, “desintoxicar” ou “superalimentos” – ao recomendar um único item ou suplemento alimentar;
  • Não é fornecido por uma autoridade ou organização de saúde confiável, como o NHS ou a OMS.

A mídia social é uma ferramenta poderosa e ótima. No entanto, também pode ser um catalisador para espalhar informações erradas. A conclusão é que não existem alimentos ou suplementos milagrosos garantidos para proteger as pessoas de novos coronavírus.

Além disso, não há alegações nutricionais e de saúde aprovadas pelas autoridades de que um único alimento ou suplemento possa combater infecções virais, como o COVID-19.

Fonte: Science Alert

Esse site utiliza cookies para melhorar sua experiência AceitarLeia Mais