Notícia interessante é Notícia Alternativa - Ciência/Saúde/Cultura/Tecnologia

Cientistas encontram possível cura para resfriado comum – Saiba mais!

0 256

Os cientistas acreditam que podem ter feito um avanço na busca de uma cura para o resfriado comum.

Os pesquisadores dizem que tratamentos poderiam ser desenvolvidos com base em peptídeos antimicrobianos que ocorrem naturalmente no sistema imunológico de humanos e animais.

A equipe da Universidade de Napier de Edimburgo observou como aumentam a resposta natural do organismo à infecção por rinovírus.

O rinovírus é o principal vírus responsável pelo resfriado comum.

A equipe sintetizou os péptidos antimicrobianos encontrados em suínos e ovelhas, e avaliou seu impacto nas células pulmonares infectadas com rinovírus.

Os peptídeos também atacaram com sucesso o vírus e poderiam fornecer pistas para o desenvolvimento de novos tratamentos com base em peptídeos encontrados na natureza.

Próximos passos

O Dr. Peter Barlow, professor associado de imunologia e infecção, disse: “Esta é uma descoberta emocionante e nossos próximos passos serão modificar o peptídeo para torná-lo ainda melhor para matar esse vírus.”

“Esta pesquisa ainda está nos estágios iniciais, mas finalmente estaremos buscando desenvolver tratamentos medicamentosos que possam curar o resfriado comum”.

Um tratamento eficaz para o resfriado pode ajudar os portadores de doenças pulmonares mais graves, como asma e doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), para quem as infecções virais podem representar um grave risco para a saúde.

Dr. Barlow acrescentou: “Não há cura e nenhuma vacina para o desenvolvimento de terapias efetivas para o rinovírus humano, o principal agente causal do resfriado comum e uma das causas mais comuns de infecções do trato respiratório viral, é um requisito urgente.”

Leia mais

“Este estudo representa um passo importante para encontrar um tratamento”.

Pesquisas anteriores do Dr. Barlow sublinharam o potencial de peptídeos antimicrobianos no combate ao vírus influenza A.

O último estudo, foi financiado pelo Escritório Chefe de Cientistas e pela instituição de pesquisa médica Tenovus Scotland.

Fonte: BBC