Notícia Alternativa
Notícia interessante é Notícia Alternativa - Ciência/Saúde/Cultura/Tecnologia

As temidas corredeiras do Congo são fonte de novas espécies de peixes

0 103

As maiores e mais mortíferas corredeiras do mundo também são um berço para a vida. Pesquisadores descobriram novas espécies nas corredeiras do Congo

De acordo com um novo estudo, o trecho final do rio Congo – que embala cinco vezes o fluxo de água do rio Mississipi em apenas 320 quilômetros – provavelmente deu à luz várias espécies de novos peixes, uma vez que se formou há 5 milhões de anos.

Isso é impressionante, porque embora os cientistas saibam há muito tempo que características geográficas como montanhas e rios podem isolar as populações animais – eventualmente dando origem a novas espécies – mas as corredeiras normalmente não são consideradas a culpada.

Para descobrir o quão diferente são os peixes das corredeiras do Congo e as águas próximas, biólogos evolucionistas capturaram cerca de 50 peixes que habitam a rocha do gênero Teleogramma. Eles então os examinaram quanto a diferenças morfológicas e sequenciaram cerca de 2% de seu DNA.

Link 100% seguro

O que eles descobriram surpreendeu-os: assim como essas águas foram tão mortais para as pessoas – ninguém tinha executado com sucesso as corredeiras até 6 anos atrás – eles também podem ser mortais para os peixes que tentam navegar através delas.

corredeiras do congo
corredeiras do congo

As correntes tumultuosas cortam grupos de peixe uns dos outros, eles evoluem independentemente e, eventualmente, se tornam novas espécies. No novo estudo, todas as espécies conhecidas e potencialmente novas foram separadas por corredeiras ou outras características hidrológicas, os cientistas relatam este mês em Ecologia Molecular.

Duas das espécies vivem apenas a 1,5 km de outra. Ao todo, os pesquisadores usaram diferenças de DNA para confirmar a existência de quatro espécies, incluindo uma nova nomeada pelo ex-presidente dos EUA, Barack Obama. Mas parece haver pelo menos outras duas espécies também, nadando nos redemoinhos.

Fonte: Science

Inscreva-se no Notícia Alternativa
Inscreva-se no Notícia Alternativa
Inscreva-se para receber mais notícias e atualizações
Você pode desativar quando quiser