Cientistas usam penas de pássaro para produzirem cores vibrantes

0 15

Uma equipe de pesquisa liderada pela Universidade de Nagoya tenta imitar a cor da plumagem de pássaros e demonstra novas maneiras de controlar como a luz interage com os materiais.

Cores brilhantes no mundo natural muitas vezes resultam de estruturas minúsculas em penas ou asas que mudam a maneira como a luz se comporta quando é refletida.

A assim chamada “cor estrutural” é responsável pelos tons vívidos de pássaros e borboletas. Artificialmente aproveitar este efeito poderia permitir-nos a engenharia de novos materiais para aplicações como células solares e camuflagem.

Inspirado pela coloração azul profundo de um pássaro nativos dos EUA, o jay-de-Stellar – Cyanocitta stelleri, uma equipe da Universidade de Nagoya reproduziu a cor em seu laboratório, dando origem a um novo tipo de pigmento artificial. Este desenvolvimento foi relatado na revista científica Advanced Materials.

“As penas do jay-do-Stellar fornecem um excelente exemplo de cor estrutural independente do ângulo”, diz um dos autores Dr. Yukikazu Takeoka, “Esta cor é realçada por materiais escuros, que neste caso podem ser atribuídos a partículas de melanina preta nas penas”.

Cyanocitta stelleri
Cyanocitta stelleri

Cores estruturais

Leia mais

Na maioria dos casos, as cores estruturais parecem mudar quando vistas de diferentes perspectivas. Por exemplo, imagine a forma como as cores na parte inferior de um CD parecem mudar quando o disco é visto de um ângulo diferente.

A diferença no azul da pena do Jay-do-Stellar é que as estruturas, que interferem na luz, depositam-se sobre partículas pretas que podem absorver uma parte desta luz. Isso significa que em todos os ângulos que você olha para ele, a cor do Stellar’s Jay não muda.

A equipe usou uma abordagem “camada por camada” para construir filmes de partículas finas que recriavam a textura microscópica semelhante a uma esponja e partículas de apoio preto das penas das aves.

Para imitar as penas, os pesquisadores cobriram partículas de núcleo preto microscópico com camadas de partículas transparentes ainda menores, para produzirem partículas semelhantes a framboesa. O tamanho do núcleo e a espessura das camadas controlaram a cor e a saturação dos pigmentos resultantes. Importante, a cor destas partículas não mudou com ângulo de visão.

Fonte: Eurekalert

Comentários

Loading...