Projeto consegue mapear conexões cerebrais de bebês – Confira!

0 27

Um projeto inovador para mapear o crescimento do cérebro humano desde o útero até após o nascimento lançou suas primeiras imagens.

A ideia é que pesquisadores de todo o mundo possam baixar milhares de imagens para estudar como o cérebro desenvolve sua estrutura.

As imagens podem ajudar os cientistas a entenderem como surgem condições como autismo, paralisia cerebral e transtornos de déficit de atenção.

O projeto Developing Human Connectome é uma colaboração entre pesquisadores do King’s College de Londres, do Imperial College de Londres e da Universidade de Oxford. As imagens, que foram publicadas hoje, representam as primeiras divulgações públicas deste projeto.

As varreduras intrincadas revelam a estrutura do cérebro jovem e a estrutura neural que controla alguns dos sinais mais adiantados em torno do cérebro.

Nas varreduras, as cores representam diferentes partes do cérebro. Existem vários problemas ao tentar fazer a varredura de recém-nascidos, incluindo parar de movê-los, e mantê-los seguros no scanner de ressonância magnética.

Mas usando novas técnicas de varredura do cérebro, os pesquisadores conseguiram examinar com sucesso os cérebros de fetos e bebês, revelando trilhões de conexões cerebrais.

Leia mais

Imagem:

O Professor David Edwards, que está liderando o projeto, disse: “O projeto Connectome é um grande avanço na compreensão do desenvolvimento do cérebro humano – ele irá fornecer o primeiro mapa de como as conexões do cérebro se desenvolvem, e como isso vai mal na doença.

Os dados preliminares, que estão sendo divulgados hoje, serão acompanhados por novos lançamentos até que um enorme conjunto de dados, juntamente com informações genéticas, estará disponível. A equipe do Imperial College de Londres desenvolveu novos programas de computador para analisar as imagens.

O professor Daniel Rueckert, que liderou esta equipe, disse: “Desenvolvemos novas abordagens que ajudam os pesquisadores analisando automaticamente as ricas e abrangentes imagens de RM coletadas como parte do dHCP”.

Enquanto isso, a equipe da Universidade de Oxford tem sido responsável pelo desenvolvimento de técnicas específicas para definir onde as conexões estão se desenvolvendo no cérebro.

Além de estudar mais bebês, os pesquisadores estão recrutando mães grávidas para o exame fetal – uma técnica que apresenta uma nova gama de desafios. Em geral, os pesquisadores esperam que em breve sejam capazes de criar um mapa dinâmico de conectividade cerebral de 20 a 44 semanas pós-concepção, que irá unir informações de imagem, clínicas, comportamentais e genética.

Fonte: Daily Mail

Comentários

Loading...