Notícia interessante é Notícia Alternativa - Ciência/Saúde/Cultura/Tecnologia

Chuvas na Ásia já mataram 1200 pessoas – Saiba mais!

0 228

Com uma grande parte da mídia mundial focada nas inundações históricas que estão lavando o Texas e o Sul americano, pouca atenção tem sido dada às chuvas ainda mais mortais que caem no sul da Ásia ao mesmo tempo.

Atualmente, a Índia, o Nepal e o Bangladesh estão sendo atingidos pelas inundações mais mortais vistas na região há mais de uma década.

A enorme quantidade de água que está sendo despejada na região causou a morte de 1.200 pessoas, enquanto mais de 40 milhões foram deslocados.

O prejuízo causado à infra-estrutura e às terras agrícolas também deverá impactar o sul da Ásia muito depois que as águas da enchente tiverem recuado.

A inundação tem sido causada por uma monção particularmente pesada que até agora despejou cerca de 30 quadrilhões de litros de água apenas em Bangladesh. Comparando com os 86 trilhões de litros que até agora caíram em Houston.

Isso não levou apenas a elevação dos níveis das águas obviamente, mas também os deslizamentos de terras no Nepal, a destruição de aldeias inteiras no Bangladesh e os edifícios que desabaram na Índia. Todas essas situações levaram à grande perda de vidas que foi vista até agora.

Com um terço do Bangladesh já sob a água, não parece que as coisas vão melhorar em breve.

Quando acabará?

Pesquisadores esperam que a estação das chuvas dure até o final de setembro, mas mesmo quando as inundações acabarem, os desafios permanecerão enormes.

“Mesmo que as águas da inundação estejam recuando em algumas partes, isso proporciona pouca pausa”, disse Thomas Chandy, CEO da Save the Children, que trabalha na região. “A operação de recuperação está apenas começando. O desafio agora é prevenir potenciais surtos de doenças, como cólera ou diarreia”.

Além disso, pensa-se que cerca de 440.000 hectares (1.000.000 acres) de terras agrícolas foram inundadas e, como a inundação chegou no início da temporada de plantio, limitará severamente o acesso de muitas pessoas aos alimentos durante a próxima semanas e meses.

Leia mais

Até agora, 18.000 escolas tiveram que ser fechadas, o que significa que 1,8 milhão de crianças já não estão recebendo educação.

Fonte: IFLS