Conheça o caso médico do homem com um chifre no pênis – Foto!

0 1.388

De acordo com um relatório da Universidade de Medicina do Rei George em Uttar Pradesh, na Índia, um homem de 60 anos parece ter um chifre crescendo na glande (cabeça) de seu pênis.

Aparentemente, esse pequeno chifre cutâneo havia aparecido antes, um mês antes, e havia sido removido. Após poucas semanas a anomalia cresceu novamente no mesmo lugar e chegou a alguns centímetros.

Os autores do relatório observaram que o passado médico do homem incluia uma circuncisão na juventude e uma uretroplastias – reparações da uretra.

Ele também não tinha histórico de crescimento peniano maligno. Mas, mesmo assim, eles removeram o “chifre”, escavando-o a um ponto profundo para garantir que nada de perigoso crescesse embaixo dele.

Excisão completa, o paciente agora está se recuperando bem e não sofreu mais mudanças importantes. O fenômeno não retornou.

Os clínicos explicam que essa protuberância, que ainda não foi tecnicamente ou formalmente diagnosticado, foi observado antes. É feito de queratina, que é o mesmo componente estrutural que forma a maior parte do seu cabelo e unhas, entre outras coisas.

Fazendo referência a estudos anteriores, eles observam que tais chifres penianos são benignos na maior parte do tempo, mas tendem para malignidade ou são ativamente malignos 22-37 por cento e 20-22 por cento do tempo, respectivamente.

Foto:

Chifre no pênis

A seguir, eles explicam que há vários fatores que possivelmente desempenham um papel em seu desenvolvimento, mas não está claro qual deles, do trauma cirúrgico à radioterapia, é mais crucial do que outros.

Eles também observam que, de forma bastante compreensível, muitos que os acham os consideram “incômodos” por muitas razões, sendo que o menor deles é que a relação sexual se torna um pouco difícil.

Leia mais

Em qualquer caso, sem que seja claro o quão perigoso ou não um chifre pode ser para o paciente, o procedimento padrão é removê-lo. Os pacientes são solicitados a fazer check-in novamente com os praticantes por algum tempo depois, para garantir que nada de maligno surja após a excisão ser realizada.

Fonte: IFLS

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More