Existe uma cepa mais mortal de coronavírus (SARS-CoV-2)?

0 293

Duas cepas do novo coronavírus estão se espalhando pelo mundo, de acordo com uma análise de 103 casos. Mas o que queremos saber é: existe uma cepa mais mortal de SARS-CoV-2?

Mas a Organização Mundial da Saúde insiste que “não há evidências de que o vírus esteja mutando muito”. Então, quantas cepas existem, por que isso importa e existe uma cepa mais mortal?

Os vírus estão sempre em mutação, especialmente vírus de RNA como o SARS-CoV-2. Quando uma pessoa é infectada com o coronavírus, ele se replica no trato respiratório.

Sempre que essa replicação ocorre, cerca de meia dúzia de mutações genéticas também ocorrem naturalmente, diz Dr. Ian Jones, da Universidade de Reading, Reino Unido.

Quando Dr. Xiaolu Tang, da Universidade de Pequim, em Pequim, e colegas estudaram o genoma viral retirado de 103 casos, eles encontraram mutações comuns em dois locais do genoma. A equipe identificou dois tipos de vírus com base nas diferenças no genoma nessas duas regiões: 72 foram consideradas do “tipo L” e 29 foram classificadas como “tipo S”.

Uma análise separada pela equipe sugere que o “tipo L” foi derivado do tipo S mais antigo. É provável que o primeiro tipo tenha surgido na época em que o vírus saltou dos animais para humanos.

O segundo tipo surgiu logo depois, diz a equipe. Ambos estão envolvidos no atual surto global. O fato de o tipo L ser mais prevalente sugere que ele é “mais agressivo” do que o tipo S, segundo a equipe.

“Parece haver duas linhagens diferentes”, diz Dra. Ravinder Kanda, na Universidade Oxford Brookes, no Reino Unido. “[O tipo L] pode ser mais agressivo na transmissão, mas ainda não temos ideia de como essas alterações genéticas subjacentes se relacionarão com a gravidade da doença”, diz ela.

“Acho que há duas linhagens”, diz Erik Volz no Imperial College London. “É normal que os vírus sofram evolução quando são transmitidos para um novo hospedeiro”.

É vital saber quantas cepas do vírus existem?

Em todo o mundo, vários grupos estão trabalhando em uma vacina para o vírus. Qualquer vacina precisará ter como alvo os recursos encontrados nas duas linhagens do vírus para ser eficaz.

As diferenças entre as duas linhagens identificadas são pequenas. Na verdade, eles não podem realmente ser considerados “cepas” separadas, diz Dr. Jones.

E muitas das diferenças genéticas não afetam a produção de proteínas e, portanto, não mudam a maneira como o vírus funciona ou os sintomas que ele causa, diz ele. Um não é mais mortal que o outro.

“Em todos os aspectos práticos, o vírus é como era quando surgiu originalmente”, diz Dr. Jones. “Não há evidências de que esteja piorando.”

O discurso é ecoado pela Organização Mundial da Saúde. O estudo de Tang e colegas sugere apenas que existe alguma diversidade genética do vírus, isso não significa que está mudando, disse um representante à New Scientist.

Mas não podemos dizer com certeza absoluta

O estudo representa apenas 103 casos. Um banco de dados online maior coletou os resultados do sequenciamento de 166 casos. Ambos representam uma gota no oceano dos quase 1.000.000 de casos oficialmente notificados.

Jones diz que podemos esperar que mais estudos surjam. Os epidemiologistas geralmente concordam que, uma vez que uma pessoa é infectada com o coronavírus, é improvável que ela seja infectada novamente, a menos que o vírus sofra mutação para permitir que ele supere as defesas do sistema imunológico.

Leia mais

Essa “pressão de seleção” pode levar ao surgimento de uma nova cepa, diz Jones. É o caso da gripe sazonal, novas variantes surgem a cada ano que podem infectar as pessoas, independentemente de terem ou não gripe no passado.

Poderemos ver o mesmo padrão emergir para o novo coronavírus nos próximos anos, diz Jones. “Não o vejo desaparecendo tão cedo.”

Fonte: National Science Review

Esse site utiliza cookies para melhorar sua experiência AceitarLeia Mais