Pesquisadores descobrem nova célula no corpo humano – Saiba mais!

0 339

Pesquisadores da Universidade de Oxford descobriram que um grupo recém-descoberto de células pode ajudar a reparar os tecidos do corpo.

Os pesquisadores, que são apoiados pelo NIHR Oxford Biomedical Research Center, dizem que essas células, que são abundantes em nossos corpos, podem ser aproveitadas para ajudar a curar tecidos e tratar doenças como infecções nos pulmões, intestinos ou pele.

A pesquisa foi publicada na revista Cell Reports.

As duas equipes de Oxford estavam investigando um tipo de glóbulo branco, as células T invariantes associadas à mucosa, ou células MAIT, que foram identificadas apenas nos últimos anos.

O Dr. Timothy Hinks, da Divisão de Medicina Experimental da Universidade, liderou um dos dois grupos de pesquisa que estudam essas células. Ele disse: “As células MAIT são notáveis ​​de várias maneiras. Elas são muito numerosas nos diferentes tecidos de nosso corpo. Elas também são antigas em termos evolutivos, sendo encontradas em animais tão relacionados à distância quanto humanos, ratos e até gambás e demônios da Tasmânia.”

“As células mudaram muito pouco em 150 milhões de anos, sugerindo que elas desempenham um papel importante na saúde. Mas tem sido difícil descobrir exatamente qual é esse papel fundamental”.

Suspeitou-se que elas nos protegem contra infecções bacterianas. Trabalhando com colegas da Universidade de Melbourne, na Austrália, o grupo Oxford mostrou que as células MAIT também podem nos proteger contra infecções virais como a gripe.

“Mas agora também descobrimos um terceiro e potencialmente muito importante papel para essas células intrigantes, na reparação de tecidos danificados”, disse o professor Dr. Paul Klenerman, do Departamento de Medicina de Nuffield, que liderou o segundo grupo de pesquisa.

Ele acrescentou: “Quando essas células detectam bactérias e são ativadas, elas ativam genes que podem levar o tecido danificado a se curar. Essa pode ser a explicação do motivo pelo qual as células MAIT se mostraram tão importantes para animais e humanos no passado”.

Ele explicou que a descoberta abre a possibilidade de que essas células possam ser usadas no futuro em novas terapias.

“Potencialmente, essas células, que podem ser ativadas por moléculas simples relacionadas à vitamina, podem ser usadas para acelerar a cicatrização de feridas, como úlceras crônicas da pele ou intestinos danificados em distúrbios inflamatórios do intestino, como a Doença de Crohn e a Colite Ulcerativa”, disse o professor Klenerman.

Leia mais

Fonte: Phys.org

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More