Causa do autismo está ligada ao tabagismo na gravidez – Saiba mais!

0 26

Cientistas da Universidade de Bristol analisaram 14.500 crianças dos anos 90 e descobriram que se a avó materna de uma menina fumou durante a gravidez, os netos são 67% mais propensos a apresentarem traços ligados ao autismo.

Essas descobertas sugerem que se uma mulher for exposta à fumaça do cigarro enquanto ainda está no útero, ela tem seus ovos em desenvolvimento afetados – causando mudanças que podem eventualmente afetar o desenvolvimento de seus próprios filhos. Mais pesquisas são necessárias agora para descobrir as mudanças em níveis moleculares.

A descoberta, publicada hoje no Scientific Reports, faz parte de um estudo contínuo e de longo prazo sobre os efeitos do fumo materno e paterno na gravidez sobre o desenvolvimento de seus netos.

Usando informações detalhadas coletadas ao longo de muitos anos sobre vários fatores que podem afetar a saúde das crianças e desenvolvimento, os pesquisadores foram capazes de descartar outras explicações potenciais para os seus resultados.

A incidência de TEA (transtorno do espectro do autismo) tem aumentado nos últimos anos, e embora parte deste aumento é, sem dúvida, pelo melhor diagnóstico, mudanças no ambiente e estilo de vida. Os pesquisadores também ressaltam que muitos fatores diferentes, incluindo a variação genética, afetam as chances de um indivíduo desenvolver TEA.

Estudos anteriores do tabagismo materno na gravidez e TEA em crianças eram até então inconclusivos.

As razões

Leia mais

As razões para isso não são totalmente claras, mas o professor Dr. Marcus Pembrey, um dos autores do artigo, diz: “Em termos de mecanismos, existem duas amplas possibilidades. Há dano do DNA que é transmitido para os netos ou há alguma resposta adaptativa para o tabagismo que deixa o neto mais vulnerável ao TEA. Não temos explicação para a diferença de sexo, embora tenhamos previamente encontrado que o tabagismo maternal está associado com diferentes padrões de crescimento em netos e netas.”

“Mais especificamente, sabemos que fumar pode danificar o DNA das mitocôndrias contidos em cada célula, e as mitocôndrias só são transmitidas para a próxima geração através do ovo da mãe. As mutações iniciais do DNA mitocondrial muitas vezes não têm nenhum efeito explícito na própria mãe, mas o impacto pode aumentar quando transmitido a seus próprios filhos.”

O professor Dr. Jean Golding, outro autor, acrescentou: “Já sabemos que proteger um bebê da fumaça do tabaco é uma das melhores coisas que uma mulher pode fazer para dar a seu filho um começo de vida saudável. Agora descobrimos que não fumar durante a gravidez também pode dar aos seus futuros netos um começo melhor também. Começamos a estudar a próxima geração de participantes, então, eventualmente, seremos capazes de ver se o efeito se transfere dos bisavós para seus bisnetos também “.

O Dr. Dheeraj Rai, outro autor, acrescentou: “Ainda não sabemos por que muitas crianças desenvolvem autismo e comportamentos ligados a ele. As associações que observamos levantam questões intrigantes sobre possíveis influências transgeracionais no autismo. Pesquisas futuras ajudarão a entender o significado e os mecanismos por trás dessas descobertas.”

Opinião externa

Dra. Alycia Halladay, diretora de ciência da Autism Science Foundation (EUA), disse: “Até o momento, as pesquisas sobre as causas do autismo têm se limitado a estudar a exposição materna ou paterna durante a gravidez. Utilizando uma coorte de nascimento no Reino Unido [Crianças dos anos 90], os cientistas são capazes de voltar uma geração para examinar o papel das exposições parental, presumivelmente através de mutações de linha germinativa e modificações epigenéticas. Esperançosamente, as exposições dos avós continuarão a ser investigadas para compreender melhor este mecanismo. ”

 

Fonte: University of Bristol 

Comentários

Loading...