Notícia interessante é Notícia Alternativa - Ciência/Saúde/Cultura/Tecnologia

Nível de mercúrio em peixes pode ser a causa de esclerose lateral amiotrófica

0 75

Comer peixes e frutos do mar com níveis mais elevados de mercúrio pode estar associada a causa de esclerose lateral amiotrófica (ELA)

O estudo preliminar foi divulgado hoje e será apresentado na American Academy of Neurology’s 69th Annual Meeting em Boston. No entanto, o consumo de peixe e frutos do mar como uma parte regular da dieta não foi associado com ELA.

“Para a maioria das pessoas, comer peixe é parte de uma dieta saudável”, disse o autor do estudo Dr. Elijah Stommel, da Dartmouth College em Hanover, membro da Academia Americana de Neurologia. “Mas permanecem questões sobre o possível impacto do mercúrio nos peixes.”

Embora a causa exata da ELA seja desconhecida, alguns estudos anteriores sugeriram que o mercúrio é um fator de risco para a doença. Nos Estados Unidos, a principal fonte de exposição ao mercúrio é através da ingestão de peixes contaminados com o metal neurotóxico.

Muitas vezes referida como doença de Lou Gehrig, a esclerose lateral amiotrófica é uma doença neurológica progressiva que tira a capacidade das células nervosas para interagir com os músculos do corpo.

Os primeiros sintomas da doença podem incluir espasmos musculares e fraqueza em um membro. Ele geralmente se desenvolve em completa paralisia do corpo, incluindo os músculos necessários para falar, comer e respirar.

Não há cura para a ELA, e, eventualmente, a doença é fatal.

O estudo

Os pesquisadores estimaram a exposição anual ao mercúrio olhando para os níveis médios de mercúrio nos tipos de peixes e a frequência que os participantes relataram comê-los.

O peixe-espada e o tubarão são exemplos de peixes que são considerados ricos em mercúrio, enquanto que o salmão e as sardinhas têm níveis mais baixos. Os pesquisadores também mediram os níveis de mercúrio encontrados em amostras de unha dos participantes com ELA e compararam esses níveis com pessoas sem a condição.

O estudo constatou que entre os participantes que comeram peixe e frutos do mar regularmente, aqueles nos 25 por cento superior para estimativa de ingestão de mercúrio anual tiveram o dobro do risco de ELA em comparação com aqueles com níveis mais baixos.

Leia mais

Um total de 61 por cento das pessoas com ELA estavam no top 25 por cento da ingestão estimada de mercúrio, em comparação com 44 por cento das pessoas que não tinham ELA.

Eles também descobriram que os níveis mais elevados de mercúrio medidos em pedaços de unha estavam associados com um risco aumentado de ELA. Aqueles nos 25% superiores de níveis de mercúrio, com base na ingestão de peixe ou na unha, estavam em um risco duas vezes maior de ELA.

Pesquisadores enfatizam que estes achados precisam ser replicados em estudos adicionais.

 

Fonte: Eurekalert