Casos de sarampo deixam países da Europa em alerta!

0 39

O sarampo está se espalhando por toda a Europa onde a cobertura de imunização caiu, alerta a Organização Mundial de Saúde.

Os maiores surtos estão sendo vistos na Itália e na Romênia.

No primeiro mês deste ano, a Itália reportou mais de 200 casos. A Romênia registrou mais de 3.400 casos e 17 mortes desde janeiro de 2016.

O sarampo é altamente contagioso. Os padrões de viagem significam que nenhuma pessoa ou país está além do alcance da doença, diz a OMS.

Para uma boa proteção, recomenda-se que pelo menos 95% da população seja vacinada contra a doença. Mas muitos países estão lutando para conseguir isso.

A maioria dos casos de sarampo foram encontradas em países onde a imunização caiu abaixo deste limiar e a infecção é endêmica – França, Alemanha, Itália, Polônia, Romênia, Suíça e Ucrânia.

Informações preliminares para fevereiro sugerem que o número de novas infecções está aumentando acentuadamente, diz a OMS.

O diretor regional da OMS para a Europa, Dr. Zsuzsanna Jakab, disse: “Exorto todos os países endêmicos a tomarem medidas urgentes para interromper a transmissão do sarampo dentro de suas fronteiras e a todos os países que já conseguiram manter sua guarda e sustentar uma alta cobertura vacinal”.

O Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças refere que, entre 1 de Fevereiro de 2016 e 31 de Janeiro de 2017, o Reino Unido notificou 575 casos de sarampo.

Leia mais

Por que diminuiu a vacinação?

Robb Butler, do Escritório Regional da OMS para a Europa, diz que há uma série de razões pelas quais a cobertura da vacinação diminuiu em algumas regiões.

“Em alguns países, como a Ucrânia, houve problemas de suprimentos e aquisições”.

Depois há hesitação sobre vacinas. Algumas pessoas têm medo da vacinação, enquanto outras são complacentes ou acham uma inconveniência, diz ele.

Na França, por exemplo, as pessoas precisam fazer uma consulta com seu médico para obter uma prescrição, ir para a farmácia para comprar a vacina e, em seguida, reagendar com o seu médico para a administração.

“Precisamos chegar ao ponto em que apreciamos que as pessoas têm vidas ocupadas e prioridades concorrentes.”

Fonte: BBC

Comentários

Loading...