Cardume de 50 milhões anos é encontrado inteiro – Confira as fotos!

0 337

Uma rocha de calcário contendo as impressões de quase 300 peixes capturou um cardume que nadava há 50 milhões de anos atrás.

Muitos animais, de pássaros a insetos, são conhecidos por viajarem em formações, exatamente quando esse comportamento surgiu na linha do tempo evolutivo ainda não é certo.

A descoberta de fósseis na Green River Formation, que se estende por todo o Colorado, Wyoming e Utah, pode finalmente oferecer um insight, sugerindo que ela remonta pelo menos desde o Éoceno.

Pesquisadores da Universidade Estadual do Arizona e da Galeria dos Fósseis Oishi do Museu Memorial Mizuta, no Japão, detalham as descobertas em um novo artigo publicado na revista Proceedings of the Royal Society B.

Um exame minucioso da placa revelou um escalonamento de 259 peixes fossilizados, todos identificados como a pequena espécie extinta, Erismatopterus levatus.

Não está claro como exatamente eles morreram, mas os pesquisadores dizem que as evidências sugerem que eles estavam todos no mesmo lugar no momento do evento.

E a morte deles aconteceu “quase instantaneamente”.

“Considerando que cadáveres em um conjunto de carcaças seriam posicionados em toda a laje, a agregação localizada observada é provavelmente o resultado do comportamento, e não um artefato de fossilização”, observam os pesquisadores no documento.

“Além disso, o sedimento é de lama de grão fino, que é um critério para uma assembléia in situ em vez de transportada”.

Para entender melhor o que poderia ter acontecido, os pesquisadores simularam 1.000 cenários possíveis, incorporando as medidas do peixe, bem como diferentes tipos de fluxo de água e distribuição espacial.

Leia mais

E, essas simulações sugerem que eles estavam nadando em uníssono, como os peixes hoje são conhecidos.

Ficar juntos em um grupo (ou no cardume) poderia ter ajudado os pequenos peixes a se manterem protegidos dos predadores, observam os pesquisadores.

“Por encontrarmos evidências de aproximação à distância em nosso grupo fossilizado de E. levatus, podemos razoavelmente deduzir a evitação de predadores como uma pressão seletiva que leva ao comportamento de agrupar”, escrevem os pesquisadores.

“Consistente com isso, a densidade dentro do grupo era maior na área central mais segura, enquanto era menor na borda do grupo, onde os predadores costumam atacar.”

Fonte: Daily Mail

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More