Câncer pode ser contagioso?

0 28

Por todo o seu horror peculiar, o câncer vem com uma graça salvadora. Se nada mais pode parar a evolução louca de um tumor, em última análise o câncer morre com seu hospedeiro. Tudo que as células malignas aprenderam sobre enganar as defesas do paciente – e dos oncologistas – é apagada. O próximo caso de câncer, em uma outra vítima, deve começar de novo.

Imagine se em vez disso, as células cancerosas tivessem a capacidade de migrar para outro corpo. Um câncer com essa habilidade teria o poder de metástase não apenas de órgão para órgão, mas de pessoa para pessoa, evoluindo novas habilidades mortais ao longo do caminho.

Enquanto não há nenhum sinal de uma ameaça iminente, diversos trabalhos recentes sugerem que o eventual aparecimento de um câncer humano contagiosa está no reino das possibilidades médica. Isto não seria uma doença, como o câncer de colo do útero, que é desencadeada pela propagação de um vírus, mas sim uma em que as células cancerosas realmente podem deslocar de uma pessoa para outra e prosperar em um novo indivíduo.

Até agora, este evento só é conhecido por ter acontecido sob circunstâncias mais incomuns. Um técnico de laboratório de 19 anos de idade que se picou com uma seringa de células cancerígenas e acabou desenvolvido um tumor em sua mão. Um cirurgião adquiriu um câncer de seu paciente após ter se ferido acidentalmente durante uma cirurgia. Há também casos de células malignas sendo transferidos de uma pessoa para outra através de um transplante de órgão ou de uma mãe para o feto.

Em cada uma dessas ocasiões, a malignidade não foi adiante. Os cânceres conhecidos que continuam a mover-se de corpo a corpo, evitando o sistema imunológico, foram apenas encontrados em outros animais. Em experiências de laboratório, por exemplo, as células cancerosas foram transferidos por mosquitos de um hamster para outro. E até agora, três tipos de cancros contagiosas foram descobertos na natureza – em cães, demônios da Tasmânia e, mais recentemente, em moluscos.

O mais antigo exemplo conhecido é um câncer que se espalhou entre cães durante a relação sexual – não como um efeito colateral de uma infecção viral ou bacteriana, mas sim através de transporte direto de células cancerosas. O estado da pesquisa é descrita em um comentário, “O Cancer que sobreviveu”, publicado no ano passado por Andrea Strakova e Elizabeth P. Murchison, da Universidade de Cambridge.

Com tão poucos exemplos, o câncer transmissível tem sido fácil ver esse evento como uma aberração. Mas, em dezembro, os cientistas das Universidades de Cambridge Tasmânia e relatado (na revista Proceedings, da Academia Nacional de Ciências) que demônios da Tasmânia estão transmitindo dentre eles um tipo de câncer – geneticamente distinto do primeiro.

Os cientistas também propuseram uma explicação mais preocupante: que o surgimento de câncer contagioso pode não ser tão rara, afinal. “A possibilidade”, escreveram eles, “é preciso uma investigação mais aprofundada do risco de que essas doenças podem surgir em seres humanos.”

Não há nenhuma razão para pensar que o câncer transmissível pode se tornar uma ameaça para a saúde pública.

Mas a natureza é infinito em suas surpresas.

Texto completo/Fonte: The New York Times

Comentários

Loading...